“Com certeza, esse é um ano de diversas novidades para os clientes Stone”. Foi assim que Augusto Lins, presidente da Stone, resumiu o 2020 da empresa até o momento. Mesmo durante a pandemia, a fintech de serviços financeiros e pagamentos já fechou parcerias com grandes players do mercado e tem trabalhado ativamente em ações para ajudar pequenos e microempreendedores para se tornar, dessa maneira, um de seus grandes parceiros.

Pensando na diminuição do impacto econômico de seus clientes durante a quarentena, logo no início da pandemia, a empresa anunciou o investimento de R$ 30 milhões em iniciativas como isenção de mensalidade e redução de taxas. Além disso, destinou mais R$ 100 milhões em microcrédito para os donos de empresas mais atingidas com a crise causada pelo coronavírus

Com a campanha Compre Local, disponibilizou ferramentas gratuitas para auxiliar os PMEs na gestão do negócio, além de TED’s ilimitadas pelos próximos seis meses. A fintech também criou uma plataforma gratuita para fomentar o comércio de bairro e fazer com que aqueles que antes vendiam sem delivery se adaptassem ao modelo de venda utilizando ferramentas gratuitas, como o WhatsApp. 

Também foram criadas duas parcerias com grandes empresas para incentivar o consumo em pequenos negócios: o Apoie um Restaurante, feita com a Ambev e ChefsClub, na qual mais de 3500 estabelecimentos foram beneficiados e o Beleza Amiga, feito com a L’Óreal e a Trinks, para ajudar salões de beleza.

Uma outra ação criada pela empresa foi o “Gerador de Anúncios”, que ajuda o cliente a reinventar seu negócio e vender online. Segundo Lins, a iniciativa está ajudando bastante o processo de digitalização das PMEs neste momento de adversidade econômica, já que muitas delas não têm experiências nas redes sociais e ainda não sabiam como era vender online.

“A importância dessa iniciativa é grande já que pode ser utilizada gratuitamente e está disponível para todos, inclusive para quem não é cliente Stone. Com o Gerador de Anúncios, a Stone possibilitou que pequenos negócios e autônomos pudessem escolher modelos customizáveis de anúncios e, ao incluir informações sobre a empresa e o produto oferecido, conseguem obter sem custo algum imagens para a divulgação de ofertas e produtos para seus clientes para feed do Instagram, Facebook e WhatsApp; imagem de capa para o perfil da loja no Facebook; e Stories para Facebook e Instagram”. De acordo com o presidente, a ferramenta já foi utilizada por mais de 10 mil lojistas ejá gerou um número superior a 15 mil anúncios.

Augusto afirma que a empresa possui clientes em várias situações diferentes, porém, todos possuem em comum a preocupação de preservar salários e empregos, principalmente os que atuam nos setores de bares e restaurantes, academias e educação. “Percebemos que o que tem prevalecido é a causa humanitária. Estamos fazendo um trabalho forte de orientação, estimulando todos a seguir as recomendações do Ministério da Saúde de isolamento para evitar a disseminação do vírus, pedindo calma e tentando passar segurança com as iniciativas que estamos fazendo para preservar a saúde financeira do comércio local”, destacou.

Augusto Lins, presidente da Stone.

TON: mais de 23 mil clientes no primeiro mês

A primeira iniciativa da Stone junto ao empreendedor autônomo se deu com o lançamento da Stone Mais, em outubro de 2018. 15 meses depois, em primeiro de março deste ano, lançou em parceria com o Grupo Globo a TON, uma série de serviços voltados para facilitar a vida de microempreendedores e profissionais autônomos.

Até o final daquele mês, cerca de 23 mil clientes já estavam utilizando o novo produto da empresa, que também foi impactado pelo coronavírus. “Por mais que tenha tido uma ótima recepção, por conta da pandemia decidimos desacelerar nossa presença na mídia e repensar o nosso plano, mas seguir investindo nas melhorias da plataforma”, destacou Lins.

Investimentos em diferentes setores econômicos

Augusto salienta que a série de investimentos em startups de diversos segmentos ocorre de acordo com as demandas de clientes, às soluções inovadoras e às tendências do mercado. Conforme o presidente, a estratégia inclui o fornecimento de soluções de software adicionais aos comerciantes, integradas aos pagamentos e plataformas financeiras da Stone e que têm o objetivo de ajudá-los a gerenciar e expandir melhor seus negócios.

“Nossa estratégia é dupla. Primeiro, oferecemos algumas soluções de software por meio de nosso próprio canal de distribuição, integrando-os à nossa principal operação. Em segundo lugar, também investimos e adquirimos empresas de software excelentes, tecnologia escalável e canais de distribuição próprios, e procuramos integrar nossas plataformas financeiras em suas ofertas. Fornecemos aos empreendedores dessas empresas de software incentivos financeiros para garantir que nossos interesses estejam completamente alinhados a longo prazo. Nosso objetivo é investir em grandes modelos de negócios e empreendedores, e sempre somos muito diligentes em relação à avaliação de maneiras para garantir que tenhamos acordos de promoções”.

Recentemente a Stone adquiriu a startup de saúde Vitta, que trabalha com gestão de planos de saúde corporativos e soluções de software para telemedicina. A empresa, que tem uma rede de 15 mil médicos, oferece planos de saúde adaptados para pequenas e médias empresas, além de startups. 

“Notamos que muitos de nossos clientes não possuem bons planos de saúde para suas famílias ou seus funcionários, e acreditamos que a Vitta criou um modelo de negócios inovador no mercado de tecnologia da saúde, combinando melhores termos de negociação com médicos baseado em telemedicina 24/7 e suporte ao WhatsApp. Este investimento é muito sinérgico com nossas bases de clientes”, afirmou Augusto. 

Outros investimentos

mLabs

No início de junho, a mLabs, startup fundada em 2015 que oferece serviços para gerenciamento de redes sociais, anunciou uma sociedade com a Stone. Com sede em São José dos Campos, em 2019, recebeu sua primeira rodada de investimentos feita pela Domo Invest. Agora, com a novidade, a Stone passa a ser também sócia investidora da mLabs.

“Após o anúncio, o mercado começou a enxergar de fato como os pequenos negócios precisam de soluções digitais para sobreviverem e prosperarem. A pandemia acelerou a adoção das redes sociais pelos pequenos negócios locais, tornando esses canais os principais para fazer vendas e relacionamento com clientes. Há pouco tempo atrás, a maioria dos fundos de investimentos e fornecedores olhavam somente para as médias e grandes empresas como mercado, mas estamos provando que é possível ajudar os micros e pequenos através de soluções escaláveis e com atendimento humanizado”, destacou Rafael Kiso, CMO da mLabs.

Ao todo, atualmente, mais de 138 mil marcas utilizam a plataforma da mLabs de forma ativa. A empresa também possui, em média, 21 mil atendimentos por mês. Como uma forma de minimizar os impactos causados pelo coronavírus, criou um programa de ajuda ao pequeno negócio dentro das redes sociais, concedendo uma licença grátis pelo uso da plataforma até o fim da quarentena, bem como outras ações.

“Quem já era cliente também teve benefícios, como uma licença a mais grátis ou um mês grátis. Abaixamos os valores dos planos. Nós também ampliamos a concessão para ONGs, profissionais de saúde e outros programas relacionados à covid-19, como foram os casos do programa da Stone “Cuide do Pequeno Negócio” e o “Covid Zero”. Após a quarentena, vamos continuar apoiando as ONGs, profissionais de saúde e programas de combate à covid-19”.

O propósito da empresa, segundo o CMO, é fazer a inclusão digital dos pequenos negócios através das redes sociais e ajudá-los a ter sucesso. Porém, segundo ele, apesar das redes sociais serem muito democráticas e permitirem qualquer negócio criar um perfil no Instagram e começar a vender pelo WhatsApp, por exemplo, não significa que eles terão resultados. 

“As redes sociais são dinâmicas e é necessário saber fazer uma boa estratégia e ter uma tática afiada para vender mais e ter resultados reais. Em função disso, pretendemos ajudar os pequenos com recomendações inteligentes baseado em dados, dar ferramentas de vendas nas mídias sociais, integradas às soluções Stone de vitrine virtual e links de pagamentos para apps de mensagens, e permitir que os clientes façam campanhas nas redes sociais através de um gerenciador de anúncios intuitivo. As campanhas os ajudarão a alcançar mais pessoas dentro do público alvo e ir além do alcance orgânico limitado que os algoritmos das redes impõem”.

Rafael Kiso, CMO da mLabs.

De acordo com Rafael, o setor de tecnologia em marketing já estava em alta, mas ganha os holofotes em função da pandemia, no qual todos os negócios passaram a ter como seu principal canal de vendas e relacionamento as redes sociais, apps de mensagens, e-commerce e sites. 

“A pandemia acelerou a transformação digital, principalmente dos pequenos negócios locais. Portanto, dentro desse contexto, eu vejo que as aquisições nesse setor são acertadas e uma forma de sair mais forte enquanto negócio após a pandemia. A Stone teve suas ações valorizadas após a notícia, pois mostrou ao mercado que está investindo em soluções que realmente estão em linha com o futuro dos negócios em ambiente digital”, afirmou.

Assim, Kiso acredita que muitos negócios vão procurar se educar e entender como ter sucesso no mundo das tecnologias. “Na prática, não existe Marketing Digital, existe Marketing em ambiente digital. Marketing é Marketing e isso não mudou. É a base de sucesso para qualquer negócio. Mas, entender do ambiente digital, possíveis estratégias e táticas, para adaptar o marketing é o que é complexo. Nas últimas semanas a busca pelo termo “marketing digital” no Google atingiu seu pico histórico. Nunca tivemos tantas pessoas procurando saber como faz isso como agora. Todas as estratégias e táticas nesse ambiente digital continuam as mesas, mas ganhamos novos adeptos. Isso é bom!”.

Após a sociedade com a Stone, a empresa planeja ampliar seus negócios também para além da plataforma. “Vamos acelerar a expansão da mLabs para pequenos negócios e evoluir a plataforma rumo a ajudar o pequeno a ter mais resultados dentro das redes sociais. Iremos além da plataforma também, vamos intensificar as ações de educação ao mercado com cursos, conteúdos de qualidade e eventos”. finalizou.

Delivery Much

A outra parceria de investimento feita pela Stone durante a pandemia foi feita com a Delivery Much, startup de delivery que atende diversos segmentos pelo Brasil. A Stone entrou com um investimento minoritário estratégico, o que não tira a autonomia da Delivery em suas ações. Apesar da negociação ter sido efetivada recentemente, a relação com a fintech já vem desde 2019. 

“A parceria de longa data é um recado para o mercado de que o propósito de transformar realidades e o foco no hiperlocalismo são a prova que se pode ser mais rápido e fazer diferente. Após o anúncio pela Stone dos novos investimentos, podemos oferecer um hub tecnológico completo para o pequeno negócio” apontou Pedro Judacheski, CEO da Delivery Much.

Pedro Judacheski, CEO da Delivery Much.

Atualmente, a companhia atende mais de 10 mil lojas em mais de 200 cidades pelo país. Com o novo investimento, outras possibilidades surgiram como oportunidades de negócio e, aceleradas pelas mudanças provocadas pela pandemia do coronavírus, segundo Judacheski, se tornaram necessidade.  

“Com o covid-19, o delivery passou a ser um serviço essencial e foi necessário acelerarmos verticais de supermercados e farmácias, que estavam sendo planejadas para serem operadas no decorrer do ano. Isso ocorreu em virtude dos nossos usuários necessitarem ter acesso a estas soluções de forma muito rápida e não dava para esperarmos. Então, foi um desafio gigante superado por toda nossa equipe de colaboradores e empreendedores franqueados”. 

Pedro também afirma que os recursos serão utilizados para o fortalecimento da empresa como um todo, principalmente para as áreas de tecnologia e produto, que junto das operações (franquias e unidades próprias) e marketing, ditam a velocidade que a Delivery vem crescendo. 

“As metas que temos são extremamente agressivas, com crescimento que já vinha na casa dos dois dígitos mês a mês e agora a iremos alçar novos voos, entrando no radar de mercados, já considerados competitivos, mas que apresentam lojas e restaurantes muito receptivos para soluções, como a Delivery Much e a Stone, que carregam no seu DNA o propósito de ajudar pequenos e médios comerciantes”.

Por fim, Augusto aponta que a Stone seguirá trabalhando para se tornar a principal plataforma financeira dos pequenos e microempreendedores do Brasil, ajudando no seu gerenciamento e potencial crescimento.

“Desde os primeiros dias de nossa empresa, trabalhamos duro para construir uma cultura centrada no cliente e que se torna ainda mais forte em tempos difíceis. Estamos muito confiantes no futuro e na missão da nossa empresa. Continuamos focados em nossas prioridades estratégicas de expansão e consolidando nossa presença no mercado de pequenas e médias empresas, tornando-se a principal plataforma financeira para nossos clientes, e investindo em ótimas soluções para ajudar as PMEs a gerenciarem seus negócios, crescerem e venderem online. Nós estamos ainda nos primeiros dias de nossa jornada, e temos um enorme potencial para crescer”, finalizou.


O Startupi tem mostrado diversas ações de empresas para minimizar os impactos causados pela pandemia do novo coronavírus. Quer saber mais? Clique aqui.