* Por Marcell Almeida

Em algum momento, todo empreendedor pensa em buscar investidores para o seu negócio. Faz parte do jogo e é bom que seja assim. Nesse sentido, histórias de sucesso não faltam no ecossistema de startups. Também não podemos ignorar aquelas que deram em nada. Arrisco dizer que parte desses fracassos tem a ver com a forma equivocada — às vezes, apressada — de bater na porta do investidor.

Buscar aporte não é tão simples, mas também não é tão complicado. Você só não pode ir desavisado. Então, vamos às dicas que vão aumentar as suas chances de conseguir uma boa rodada de investimento.

1) Espere o momento ideal para procurar um investidor

Nem sempre é possível esperar, pois muitos empreendedores não têm como se financiar. Mas, se você puder preparar e crescer a sua empresa antes do aporte será muito melhor. O momento certo de buscar um investidor é quando o número mostra que, de fato, as pessoas estão usando o seu produto e, melhor ainda, se estiverem pagando por ele. Você consegue levantar mais dinheiro com um valuation melhor por já haver comprovadamente algum tipo de engajamento.

Também fica mais fácil calcular algumas projeções — se, por exemplo, eu investir R$ 1.000 em marketing, conseguirei atrair “N” usuários a mais. Dá até para justificar melhor o investimento.

2) Ressalte o seu track record

É muito importante mostrar a sua trajetória, o que já fez, o que já aprendeu, o que já errou. E, principalmente, mostrar a composição dos fundadores. Um fundador só tem muito mais trabalho para gerir a empresa. O ideal é ter um time de fundadores, que demonstre esse track record de maneira eficiente e mostre como eles se complementam. Isso passa confiança.

Como investidor anjo, conheci uma empresa há algumas semanas. Era uma startup bem interessante, mas os fundadores não tinham experiência naquele mercado. Eu não investi, assim como outros investidores também não. Eles não transmitiam segurança e know-how necessários para atuar no mercado que queriam.

Por outro lado, investi numa startup de pessoas bem jovens e sem a experiência adequada. Só que os números eram tão bons e possuíam um faturamento em franca ascensão, que compensaram a falta de expertise. Se este for o seu caso, vá em frente. Se não…

3) Não pareça desesperado

Essa é uma dica simples e fundamental. Se você chegar super acelerado, demonstrando que, se não conseguir o investimento a empresa vai fechar, você perde antes mesmo de começar. Nenhum investidor vai arriscar seu dinheiro num negócio em que o dono está desesperado.

4) Busque o smart money

Não é só o dinheiro pelo dinheiro, que pode ser conseguido com a sua família e amigos. Nada contra. Mas é estratégico levantar capital com pessoas bem conectadas, que tenham fit com o que você faz, que consigam abrir algumas portas — e que possam passar confiança para os próximos investidores. Elas vão facilitar uma próxima rodada ou até negociações para acelerar a sua empresa.

Melhor ainda se o investidor for dono de um negócio importante para a sua empresa. Nesse caso, ter ele como sócio pode ser uma maneira interessante de crescer o seu negócio.

Só um detalhe: muitos desses investidores sabem do capital social que possuem e, por conta disso, acabam negociando um valuation diferente onde eles usam o “networking” deles como moeda de troca. Daí oferecem menos dinheiro e dizem que irão abrir portas e usar os seus negócios para ajudar o seu. É algo para estar atento e negociar, tem vezes que pode compensar sim, mas isso nem sempre é verdade. O ideal é deixar bem claro, em contrato, qual será o papel desse sócio-investidor, através do seu networking e empresas.

5) Procure um investidor adequado para o porte da sua empresa

Você não precisa ir atrás de uma Kaszek se está começando. Se a sua empresa está muito no começo e recorre a um fundo de investimento de venture capital, você provavelmente terá um trabalho maior de governança. É preciso pensar se você está preparado para atender às exigências de relatórios financeiros mensais ou trimestrais, entre outras demandas que podem vir de grandes investidores.

Recorrer a muitos anjos também pode ser complicado para as próximas rodadas. Já vi alguns fundos não gostarem da startup ter muitos investidores anjos.

Uma última dica: antes de ir em busca de um investidor, faça a pergunta: será que não consigo seguir por um tempo com as minhas próprias pernas? Ser bootstrap tem suas vantagens também.


* Marcell Almeida é CEO e cofundador da PM3, empresa referência em cursos de gestão de produto no Brasil.