O Bitz, carteira digital e conta de pagamento do Bradesco, anunciou a aquisição da DinDin, fintech que atua no mesmo segmento desde 2016, data de sua fundação. O valor da transação não foi revelado.

“A DinDin acelera a aquisição de know-how e traz um time experiente, o que é crucial para o plano de expansão do Bitz”, afirma Curt Zimmermann, CEO do Bitz. O negócio está em linha com a estratégia de crescimento da nova empresa do Bradesco. “Queremos conquistar uma fatia entre 20% e 25% do mercado de carteiras digitais no prazo de três anos. Devemos fazer mais uma aquisição ainda este ano, com o objetivo de acelerar a estruturação do time e de crescer o negócio”, afirma.

“Uma das coisas que mais nos motivou na proposta do Bradesco foi a confiança que demonstraram na nossa equipe”, afirma Stéphanie Fleury, sócia fundadora e CEO da DinDin, que é a primeira mulher a vender uma startup para o Bradesco.  “O expertise acumulado nesses quatro anos de operação, e o mindset de startup irão ajudar a construir o Bitz com mais agilidade e foco na inovação”, complementa Stéphanie.

A fintech, que nasceu com o objetivo de ser uma carteira digital, possui uma solução completa em serviços financeiros. Além de funcionalidades como pagamento de contas, recarga de celular e cartão pré-pago, a DinDin lançou ano passado o aplicativo o Dindin Mesada com a proposta de educar financeiramente os jovens e ajudar a família no planejamento e controle de seus recursos.

O Bitz possibilita aos clientes manter dinheiro na carteira digital para fazer pagamentos de contas diretamente do celular, além de outras funcionalidades, como transferência de valores entre contas Bitz, TEDs, recarga de celular, crédito, inclusão de cartões Alelo Alimentação e Refeição e pagamentos via QRCode em estabelecimentos que possuam maquininha Cielo – disponível em mais de um milhão e meio de estabelecimentos em todo Brasil. O saldo que permanecer no Bitz terá rendimento diário que corresponde a 100% do CDI.