A Easyjur, startup mineira com seis anos de operação, recebeu um aporte de R$ 3,5 milhões de investidores-anjo membros dos grupos Gávea AngelsAnjos do Brasil, Bossa Nova e Investidores VC. A startup também foi a primeira legaltech da América Latina a receber uma rodada de investimento do Black Founders Fund, do Google, que seleciona startups fundadas por negros para investimento e aceleração em janeiro de 2021.

Com 60 mil usuários e um faturamento da ordem de R$ 3,5 milhões, a startup é focada em fornecer tecnologia para digitalizar a gestão de demandas jurídicas para o operador do direito, destacando-se da concorrência por se posicionar como uma plataforma “user friendly” para que escritórios de advocacia e departamentos jurídicos possam se dedicar à função intelectual que lhes compete.

Assim, a plataforma deixa toda a parte burocrática por conta da tecnologia proprietária desenvolvida pela startup. Desta forma, oferece velocidade e agilidade à atuação dos advogados, evitando que percam prazos, datas de audiência e todas as etapas indispensáveis para o exercício da advocacia.

Situação que Vinícius Marques, fundador e CEO da Easyjur, descobriu em 2015 que é bem mais comum do que parece. Ele viveu na própria pele uma ação de despejo por conta do erro de um advogado que perdeu o prazo para apresentação de defesa que o legitimava como dono de um imóvel, 100% pago, onde morava com a família há 10 anos. Indignado, procurou entender as dores dos advogados, recuperou-se das perdas e, em três meses, ele, que, já formado em Tecnologia e Análise de Sistemas e empreendedor de uma software house desde os 19 anos, criou um projeto para solucionar a questão, a fim de que ninguém mais tivesse que passar pelo mesmo drama.

Hoje, com a Easyjur, Marques profissionalizou todo o processo de gestão dos escritórios de advocacia e departamentos jurídicos. Sucesso em ascensão, chegou em 2021 com 13 seccionais da OAB conveniadas e usuários distribuídos por 11 estados. Parte agora em busca de investimento para expandir seu alcance por grandes escritórios do Sul e Sudeste, região que concentra 70% dos advogados do país, investindo na ampliação e capacitação do time e em novas tecnologias que viabilizem sua meta de crescimento de 200% em um ano e meio.

O modelo de negócio tem como base uma solução SAAS (Software as a Service) e machine learning integrada à IA e RPA (Robotic Process Automation) que padroniza, simplifica e facilita o acesso de advogados a todos os trâmites de um processo, permitindo a qualquer escritório entrar na Era 4.0 da Advocacia.

Enquanto robôs capturam publicações, intimações eletrônicas e andamentos processuais de todos os tribunais do Brasil, a solução in cloud faz a orquestração ágil das demandas jurídicas e consultivas dos advogados. A ferramenta operacionaliza o controle dos processos, gestão de contratos e cobranças, workflow de prazos, audiências e tarefas, até a gestão de horas trabalhadas, gerenciamento de projetos e casos, controle financeiro e lançamento de honorários por RPA, emissão de relatórios e a gestão estratégica e organizacional, entre outros.

Tais serviços gerenciados pela plataforma levam os escritórios a aumentar os ganhos em produtividade e segurança, reduzindo drasticamente o tempo gasto com atividades manuais. “99% dos advogados que trabalham conosco, em apenas 1 ano da implantação do sistema, reduzem os custos e aumentam a performance de seus escritórios em até 60%”, exemplifica Vinícius Marques que acredita que seu grande mérito está em ouvir os advogados e ser focado em solucionar problemas, permitindo maior agilidade e flexibilidade na evolução tecnológica.

“Sabemos o quanto um advogado perde tempo com a parte administrativa dos processos”, sinaliza Odilon Borges, advogado in-house e membro investidor da Gávea Angels. “Enxergo na Easyjur uma solução mais do que útil ao mercado, que devolve ao serviço jurídico a sinergia e a agilidade da demanda gerada pelo dinamismo dos negócios da era digital”. De acordo com Maria Rita Spina Bueno, diretora-executiva da Anjos do Brasil, setores em transformação apresentam ótimas oportunidades para startups, como mostra a Easyjur ao aplicar tecnologia ao setor jurídico. “Conseguiram resolver uma dor simples e clara de forma efetiva, liberando os advogados de processos burocráticos e possibilitando uma maior efetividade.

Como todo serviço inovador, a Easyjur começou com testes validados por seu público-alvo. Através de uma versão gratuita que Marques liberou aos advogados de sua cidade, Uberaba, no Triângulo Mineiro, ele logo conquistou 400 usuários, que ofereciam todo o feedback necessário para a melhor adaptação da plataforma às suas demandas. Em 2016, fechou contrato com a OAB de Minas, disponibilizando o uso da plataforma a todos os advogados do estado. Em 30 dias, 5 mil advogados já faziam uso da plataforma e, em 2018, foi um dos seletos escolhidos para ser acelerado por quatro meses pela Darwin Startups, quando dobrou seu faturamento.

Paralelamente, começou então a desenvolver uma versão com novas funcionalidades para lançar no mercado para os usuários que demandavam mais tecnologia e volume de dados. Em 2019, lançou o primeiro plano pago através de assinatura mensal, dobrando novamente o faturamento e a equipe. Em seguida, realizou uma 1ª rodada de investimentos, na qual arrecadou R$1 milhão e estabeleceu novos contratos com a OAB em outros estados, como Santa Catarina, Manaus e Brasília.

Em crescimento acelerado, a Easyjur entrou na Pandemia e sofreu uma redução de 20% por conta da desaceleração do Judiciário e das atividades econômicas no país. Após lançar um plano de contingência, decidiu ir na mão contrária do mercado que pedia descontos e redução de custos e lançou um novo projeto, enriquecido com diversas funcionalidades que requeria dos clientes um maior investimento. Não só foi aceito, como despontou como uma solução segura e inovadora que permitiu aos advogados trabalharem em home office sem perda de controle e produtividade. O resultado foi um filtro natural do perfil de clientes da startup e, de novo, crescimento exponencial.

Hoje, a Easyjur possui um time qualificado, vagas em aberto e uma nova sede em Uberaba totalmente estruturada para permitir o trabalho presencial com o distanciamento necessário, além da segurança e infraestrutura indispensáveis aos novos tempos. “Meu objetivo sempre foi facilitar o acesso à Justiça e para isso desenvolver soluções tecnológicas para que o operador do direito tenha a tranquilidade necessária para obter sempre a melhor performance para seus clientes”, resume Marques, orgulhoso por olhar para trás e se ver ditando inovação no mercado jurídico, investindo sempre em melhoria contínua com sua startup.

* Foto em destaque: Vinícius Marques, fundador e CEO da Easyjur.


Quer acompanhar de perto todos os investimentos no ecossistema de startups? Siga as redes sociais Startupi e acesse nosso ranking de investimentos do mês.