O Facebook anunciou a criação de um fundo de US$ 50 milhões que será aplicado na construção do chamado “metaverso” da empresa. O valor será dedicado para pesquisa e programas de parcerias que garantam que o produto seja desenvolvido de forma responsável.

Segundo a empresa, o metaverso é um conjunto de espaços virtuais, onde há possibilidade de construção e criação em equipe, sem que as pessoas estejam no mesmo espaço físico. “Você poderá estar com seus amigos, trabalhar, jogar, aprender, comprar, criar e mais. Nossa próxima plataforma de computação, com a realidade virtual e aumentada e hardware, aprofundará a conexão dos consumidores apesar da distância física e sem que esteja amarrada a dispositivos”, explicou.

Com a complexidade do produto, o Facebook precisará de ajuda e tempo para construí-lo e a quantia será usada ao longo de dois anos. A empresa de Mark Zuckerberg comparou a nova criação com o início da internet. “Este não é um produto que uma companhia poderá desenvolver sozinha. Assim como a internet, o metaverso existe independentemente de o Facebook estar lá ou não. E não será desenvolvido da noite para o dia. Muitos destes produtos se tornarão realidade nos próximos 10 a 15 anos”.

A companhia liberou alguns pilares importantes que trabalharão para que os produtos sejam de qualidade para todos os usuários. São eles: oportunidade econômica, para gerar mais escolhas às pessoas, encorajá-las a competitividade e manter uma economia digital próspera; privacidade, para minimizar a quantidade de dados usados, construir tecnologias que mantenham a privacidade e que as pessoas tenham transparência e controle de suas informações; segurança e integridade, para que todos tenham segurança online e que possam encontrar ferramentas para agir ou pedir ajuda se algo não estiver confortável; e equidade e inclusão, para assegurar que as tecnologias sejam desenhadas de forma inclusiva e acessível para todos.

Os parceiros no novo fundo do Facebook incluem a Organização dos Estados Americanos (OEA), a Howard University, dos Estados Unidos, a Universidade Nacional de Seul, na Coreia do Sul, e a Universidade de Hong Kong.


Quer acompanhar de perto todos os investimentos no ecossistema de startups? Siga as redes sociais Startupi e acesse nosso ranking de investimentos do mês.