Durante a pandemia da covid-19 as empresas precisaram mudar a forma de olhar e lidar com seus colaboradores. Neste período de tantas adaptações é necessário garantir que o colaborador esteja cuidando da sua saúde mental e física, o que gera impactos tanto na sua vida profissional, como pessoal. Para se ter uma ideia, segundo uma pesquisa de tendências de RH da Deloitte, hoje 92% dos diretores de organizações no Brasil acreditam que o bem-estar dos colaboradores é um fator importante no dia a dia e trabalham com ações de saúde corporativa. 

É o caso de grandes empresas como IFood, Localiza e Gerando Falcões, que já adotam programas voltados à saúde do colaborador. Para Pedro Reis, sócio-fundador da VIK – startup que nasceu para ajudar as empresas a melhorarem a saúde de seus colaboradores, implementando um programa que visa transformar a vida das pessoas e o resultado das corporações -, é importante que a questão da saúde esteja sendo priorizada pelas corporações.

“Quando usamos a gamificação e damos estímulos diferenciados, continuados e variados para os colaboradores ao longo do tempo, começamos a ver as pessoas mudando o comportamento. A ideia de trocar atividades físicas por bônus já gerou o engajamento de mais de 10.000 colaboradores de várias empresas diferentes, de diversos tamanhos e segmentos. Essa mudança e esse olhar para saúde impacta em vários benefícios para a empresa, como aumento de produtividade das pessoas, e no médio/longo prazo, a redução com o custo com saúde e absenteísmo”, explica.

Pensando nisso, uma das estratégias criadas pela VIK para engajar ainda mais os colaboradores foi a criação de um programa que as atividades físicas dos colaboradores valem milhas que podem ser trocados por PIX direto na para a conta dos participantes. “O programa se chama VIK Bônus. Sempre que alguém registrar suas atividades no aplicativo da VIK, irá acumular bônus que podem ser trocados pelos PIX. Além disso, na loja também podem ser resgatados prêmios e até cupons de descontos de lojas parceiras. Os bônus podem ser acumulados com qualquer atividade, em qualquer lugar e a qualquer hora” complementa Reis. 

Atualmente, a startup atende mais de 50 empresas, registra mais de 100 mil atividades mensalmente pelos usuários e já distribuiu mais de R$ 10.000 em PIX. “Os valores variam de R$ 20 até R$ 100, para valer um número proporcional de VIK Bônus e também para dar oportunidade de todo mundo resgatar um prêmio. A ação é um sucesso, sempre que fazemos esgota em 1 minuto no máximo (literalmente)! Colaboradores de todas as empresas clientes resgatam”, conta Pedro Reis. 

A colaboradora da Gerando Falcões, Andressa Lira, conta que foi incentivada pela proposta de trocar atividade física por PIX. “Tive ainda mais ânimo para buscar meus pontos, também achei uma boa oportunidade da galera divulgar a VIK. Já quero ganhar os 20 VIK bônus para pegar outro PIX”, revela. 

Além dos colaboradores ganharem saúde, tornar a atividade mais atrativa e oferecer recompensas pelo movimento do colaborador é uma ótima forma de gerar ainda mais engajamento. “Além dos prêmios oferecidos pela VIK, o cliente também pode montar um programa de recompensa personalizado, deixando disponível outros brindes como camisas, garrafinhas e até viagens ou “day off”. “

Para Pedro Reis, um programa como este tornou-se ainda mais importante durante o período de pandemia, quando olhar para a própria saúde e para a de quem está ao redor se tornou essencial. Além disso, dentro do ambiente corporativo, cuidar dos colaboradores é uma forma de aproximá-los ainda mais da empresa. “Cada vez mais as empresas enxergam que as pessoas que cuidam da saúde física e mental, têm melhor autoestima, estão mais dispostas ao trabalho, a novos desafios. Quando uma pessoa muda um hábito de saúde, ela se sente mais empoderada. Principalmente em um período tão delicado como o da pandemia, para a empresa ter sucesso é preciso investir em quem faz a coisa acontecer”, finaliza Pedro Reis.