A Dinie, fintech de embedded lending, recebeu um aporte de US$ 3,8 milhões, cerca de R$ 20 milhões, liderado pelo Accion Venture Lab e K50 Ventures. A rodada contou com a participação do Flourish Ventures, Domo Invest, Tribe Capital, Capital Lab entre outros.

A empresa também concluiu sua própria estrutura de securitização garantindo mais US$ 20 milhões em capacidade de financiamento de dívida em parceria com a Empírica Investimentos, uma investidora local de crédito estruturado, com uma carteira sob gestão de US$ 1 bilhão.

Ao incorporar sua infraestrutura e serviços em plataformas existentes que as MPEs já usam, a Dinie é capaz de alcançar grandes grupos de clientes potenciais. Aproveitar os dados das plataformas para aprovar e subscrever rapidamente o crédito rotativo e monitorar o fluxo de caixa e os comportamentos de reembolso para ajustar as linhas de crédito e aprovar novos saques sem papelada adicional. O limite em conta digital da startup permite ainda que as MPEs financiem seu capital de giro e paguem suas despesas diárias de negócios.

O Brasil abriga mais de 17 milhões de MPEs com déficit de financiamento de US$ 480 bilhões e a maioria dos bancos não é capaz de atendê-los de forma eficaz com produtos financeiros adequados às suas necessidades transacionais, convenientes e com boa relação custo-benefício. Com as MPEs migrando substancialmente para modelos de negócios digitais, especialmente após a crise do COVID, os bancos terão ainda mais dificuldade em atender às suas necessidades de compras on-line, pagamentos digitais, integração com plataformas digitais e assim por diante. Essas mudanças representam uma enorme oportunidade, num mercado grande e em crescimento acelerado. O comércio eletrônico, por exemplo, o mercado-alvo da Dinie, deve crescer cerca de 20% A / A nos próximos 4 anos.

“A visão de Dinie é permitir que grandes ecossistemas como plataformas de e-commerce digital sejam potencialmente a “agência bancária” das pequenas empresas, onde produtos financeiros são distribuídos e contextuais, acoplados a jornadas específicas ao negócio. Os bancos se tornam invisíveis na experiência de usuário das empresas, as quais poderão utilizar os seus dados transacionais em troca de produtos financeiros sob medida, mais baratos e sem esforço algum”, afirma Suzy Ferreira, fundadora e CEO da Dinie.

Suzy Ferreira – Dinie.

“Esta rodada nos mostrou que estamos no caminho certo e nos deu confiança para continuar melhorando nossas soluções integradas em grandes ecossistemas digitais para melhor servir as pequenas empresas”, afirma Vinícius Cibim, cofundador e CFO da startup.

Vinícius Cibim – Dinie.

“Crédito acessível é essencial para as pequenas empresas se recuperarem da pandemia COVID-19, especialmente nos países mais afetados como o Brasil. Dinie está incorporando ofertas de crédito em plataformas que os proprietários de pequenas empresas já usam, para lhes fornecer o financiamento de que precisam para manter as portas abertas e sustentar suas famílias ”, disse Michael Schlein, presidente e CEO da Accion.

“O modelo de negócios inovador de Dinie é emblemático de como o financiamento integrado é uma forma mais escalável, segura e econômica de emprestar para pequenas empresas carentes. Estamos entusiasmados em adicioná-los ao portfólio do Venture Lab ”, disse Federico Gomez Romero, diretor de Investimentos na América Latina do Accion Venture Lab.

Ryan Bloomer, fundador e sócio-gerente da K50Ventures, disse: “Dinie é atualmente o único agente financeiro integrado de ponta a ponta totalmente digital (“embedded”) no mercado brasileiro de empréstimos para pequenas e médias empresas. Ficamos muito impressionados com a equipe fundadora de Dinie e as parcerias-chave que eles estabeleceram, e acreditamos que Dinie está posicionada de maneira única para um crescimento exponencial no enorme mercado de mais de 70 milhões de pequenas e médias empresas no Brasil”.

Arjuna Costa, Managing Partner, Flourish Ventures, complementa: “Estamos entusiasmados em apoiar mulheres fundadoras em um país onde representam menos de 5% das startups do Brasil. Suzy e Andrea estão redefinindo a percepção de risco das MPEs e criaram um cenário de ganho mútuo para proprietários de negócios que precisam de acesso para o capital de giro e para as plataformas que trabalham com eles. Um vibrante setor de pequenas empresas que será um dos principais motores da recuperação pós-pandemia do Brasil, e Dinie pode dar uma contribuição vital para o sucesso das MPEs.


Quer acompanhar de perto todos os investimentos no ecossistema de startups? Siga as redes sociais Startupi e acesse nosso ranking de investimentos do mês.