A Ecotrace, startup especializada em rastreabilidade com sistema baseado na tecnologia blockchain, recebeu recentemente um investimento de R$ 3 milhões da KPTL, uma das principais gestoras de venture capital do Brasil. Os recursos do aporte são do Fundo Criatec 3, que tem entre os principais cotistas o BNDES e bancos de desenvolvimento regional e agências de fomento à inovação. Entre 2019 e o fim de 2020, a Ecotrace captou um total de R$ 5 milhões.

A empresa iniciou sua atuação no mercado de carne bovina e logo expandiu para o mercado de aves e algodão. Entre seus principais clientes estão as maiores empresas de proteína animal do Brasil, entre elas JBS, Minerva e Frigol, que aumentam a transparência de suas cadeias de produção com o sistema da Ecotrace. Atualmente, a empresa também vem atuando em um projeto na cadeia do algodão juntamente com a ABRAPA (Associação Brasileira dos Produtores de Algodão).

Para Flavio Redi, CEO da Ecotrace, a nova rodada só valida a trajetória até aqui. “Adaptação e olhar para as oportunidades foram os fatores mais importantes para colher resultados positivos. A consolidação de grandes contratos em um período de pandemia e o fechamento de um investimento desse montante só valida que estamos no caminho certo. Esse é nosso terceiro aporte – foram dois investimentos-anjo – e chega numa ótima hora. Fizemos toda a prova de conceito, demonstramos que o mercado está interessado em nossa plataforma e agora estamos com o caixa abastecido em condições de melhorar nossas ferramentas e escalar rapidamente o projeto. Uma empresa com três anos de vida e já no terceiro aporte indica o potencial que temos pela frente”, acredita Redi.

Da forma como foi estruturada pela empresa, a tecnologia blockchain para a rastreabilidade pode ser utilizada em diversos setores sem necessidade de grandes alterações na tecnologia. Assim, o principal diferencial da Ecotrace em relação aos concorrentes é a maneira como coleta e analisa os dados recebidos. Existe uma integração com os ERPs das empresas, integrado com soluções de Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês) e Inteligência Artificial, que possibilita coletar informações com a menor margem de erro possível.

Como se sabe, o agronegócio brasileiro vem sofrendo pressões de investidores, compradores e sociedade para garantir a responsabilidade socioambiental. A cada dia o consumidor está mais atento ao produto que adquire. Por exemplo, a procedência de uma carne, os cuidados com bem-estar animal, as exigências no processo industrial do ponto de vista sanitário, estão entre as informações que são cada vez mais relevantes ao consumidor.

Importante lembrar que a tecnologia hoje também é fundamental para garantir o acesso de produtos brasileiros a mercados como Europa, China e Estados Unidos. A rastreabilidade da cadeia de produção, controle, governança e transparência de ponta a ponta da cadeia de valor é o core business da Ecotrace.

A Ecotrace criou uma plataforma que possibilita digitalizar a rastreabilidade. Assim, consegue prover e consultar informações mais rápido. Atendendo a RDC24, é possível aplicar um recall e oferecer transparência ao consumidor. “A rastreabilidade hoje nas grandes companhias está incorporada no ERP e com isso fica muito mais lento para qualquer ajuste ou adequação de processo de acordo com a demanda de abertura de novos mercados. Quando digitalizamos a rastreabilidade, trazendo os dados para uma camada separada do ERP, ganhamos agilidade para respostas rápidas exigidas pelo mercado”, detalha Redi.

“Como parte do nosso compromisso com a sustentabilidade, a qualidade e a segurança dos nossos produtos, estamos levando nossos processos de due diligence a todos os elos da cadeia produtiva. Encontramos na Ecotrace um parceiro capaz de nos apoiar nesse desafio”, afirma Emília Raucci, diretora de Qualidade na JBS.

Com a transação, a KPTL chega a 9 agtechs em seu portfólio, se consolidando como uma das principais gestoras no segmento.

De acordo com Renato Ramalho, CEO da KPTL, o que chamou a atenção da gestora foi a complexidade da solução e velocidade de tração da startup. “A Ecotrace tem uma mistura de aspectos sedutores para quem investe em inovação e tecnologia no Agro. De um lado, um empreendedor maduro e profundo conhecedor do setor por mais de 12 anos. De outro, resultados expressivos em apenas 3 anos de vida”, resume Ramalho.

Fundador da companhia, Flavio Redi possui mais de 12 anos de experiência no setor de agronegócio. Em 2007, ajudou a criar a empresa Gestão Agropecuária (GA), que desenvolveu um software para gerenciamento de confinamento que monitora hoje 5,8 milhões de cabeças de gado. Desde maio, a GA também pertence ao portfólio da KPTL.

Além de Redi, outros dois empreendedores o acompanham na liderança da empreitada. Graduado em Ciência da Computação com MBA em Gestão Empresarial pela FGV e com mais de 25 anos de experiência em tecnologia, está Eric Luque, CTO da empresa, especialista focado em Inteligência Artificial e Sistemas Distribuídos e criador de conteúdo para o blog A.I.nteins relacionado a Inteligência Artificial. Já Antônio Hélio Waszyk foi o primeiro investidor-conselheiro na startup, executivo sênior com experiência construída internacionalmente com responsabilidades em funções estratégicas e operacionais, passando por EUA, França, Suíça, Israel, Filipinas, Malásia, Cingapura, somado 38 anos de sua carreira profissional na Nestlé.


Quer acompanhar de perto todos os investimentos no ecossistema de startups? Siga as redes sociais Startupi e acesse nosso ranking de investimentos do mês.