A Via Varejo anunciou hoje um investimento seed no Distrito, plataforma que conecta startups, grandes empresas, investidores e acadêmicos para gerar novos modelos de negócios, mais colaborativos, eficientes e sustentáveis. Com o ecossistema de inovação aberta do Distrito, fundamentado em dados e Inteligência Artificial. O aporte, sem valor revelado, dará a Via Varejo direito a 16,67% em participação no Distrito e deve fortalecer um importante movimento para ambas as empresas.

Fundado em 2014, o Distrito possui mais de 300 startups conectadas à sua rede, por meio de um programa de desenvolvimento contínuo, que tem como intuito auxiliar estas jovens empresas em seus mais diversos estágios. Além de um time e de uma plataforma digital que permitem a conexão de qualquer startup a seu ecossistema, independentemente de sua localização, o Distrito mantém hoje quatro hubs físicos – três em São Paulo e um em Curitiba.

O atual investimento, portanto, marca mais um salto na jornada de transformação que a Via protagoniza desde o ano passado. “Não é um movimento óbvio. Olhamos lá na frente. Em vez de fazer uma simples aquisição, nos conectamos à maior rede de inovação do Brasil. Vai ser incrível para nós como companhia. Vamos poder viver e fomentar cada vez mais a cultura de mudança dentro e fora da Via, além de ter uma posição privilegiada no ecossistema de startups no Brasil. E, melhor ainda, vamos estimular o empreendedorismo, algo que será bom para todo o país”, afirma Roberto Fulcherberguer, CEO da Via Varejo.

Para Gustavo Araujo, fundador do Distrito, a associação é um movimento único no país. “A Via traz um mundo de conexões e possibilidades, um universo enorme que chega para gerar valor às startups. Os empreendedores precisam de um player como a Via Varejo para validar seus produtos e tecnologias. Com a escala que a Via pode dar a esses empreendedores, não me surpreenderia se gerássemos alguns unicórnios em conjunto no longo prazo”, diz.

“É uma maneira muito inteligente, diferente, de investir em inovação. Distrito e Via, de maneira descentralizada, aberta, vão se conectar com milhares de empreendedores. Com a potência da Via, o sistema Distrito fica mais forte, sendo preservada a sua independência. O investimento, por sua vez, proporcionará uma aceleração maior em tecnologia, inteligência e estrutura”, complementa Gustavo Gierun, também fundador do Distrito.

Gierun também conta que o aporte será usado no investimento em tecnologia a fim de oferecer melhor produtos e serviços, novas soluções e investimento em time. “A gente espera poder multiplicar esse nosso ecossistema, essas startups residentes, por 10 nos próximos 3 anos”.

No último ano, a Via Varejo tem passado por algumas mudanças em seu posicionamento como uma das maiores marcas do varejo brasileiro tendo como principais pilares a consistência e sustentabilidade.

Após digitalizar-se, multiplicar a eficiência de suas operações e ter o foco dirigido à experiência do cliente, a companhia busca agora ir além do varejo tendo como prioridade clientes e colaboradores. Com a integração das plataformas internas de vendas, os vendedores vêm rompendo a fronteira da loja física com oferta de produtos do online, incluindo marketplace. O investimento no Distrito é um passo importante para consolidar a empresa como um sistema baseado em tecnologia, empreendedorismo e inovação.

Aquisições

Em fevereiro de 2020, a Via Varejo anunciou que exerceu sua opção de compra de 80% das ações da fnitech banQi, por valor não revelado, passando assim a ter 100% da fintech

A fintech funciona como carteira de serviços financeiros com operações como assinatura eletrônica do crediário, cartão de débito, saque e rendimento do saldo, além de acesso a empréstimos pessoais.

“Trazermos para dentro uma operação como o banQi é fundamental para uma empresa que tem a inclusão em seu DNA. A visão de termos uma carteira digital dentro de casa é promover a inclusão em vários sentidos: econômica, social e digital”, disse Roberto durante o anúncio da transação.

Em mais um passo rumo a essa digitalização da empresa, a Via Varejo anunciou em em abril a compra da logtech ASAP Log a fim de oferecer serviços logísticos também a seus sellers do marketplace, seja via apps ou pelos sites das marcas Casas Bahia, Pontofrio e Extra.com.

A ASAP Log faz a integração de maneira inteligente entre os mais diferentes operadores logísticos existentes, buscando reduzir os custos. E faz uso de alternativas inteligentes nos transportes interestaduais, como o aproveitamento de baús de ônibus para entregas.

Segundo Roberto, em 5 meses, a startup já virou a maior empresa de logística de last-mile da Via Varejo acelerando um ano e meio da companhia em relação a desenvolvimento.

Por fim, o executivo reforçou que a companhia visa somar energias, através dessa aproximação com o ecossistema de startups, para acelerar essa transformação. No final do dia, tecnologia para nós é um meio, o que a gente quer é se relacionar com o brasileiro: como, onde e quando ele quiser”, concluiu.