O Mercado Livre, por meio da sua unidade de fintech Mercado Pago, obteve junto ao Goldman Sachs um aporte de R$ 400 milhões, valor que representa uma das maiores linhas de financiamento do banco para uma fintech no Brasil.

Esse investimento será realizado em um FIDC (fundo de investimento em direitos creditórios) e será utilizado pelo Mercado Pago para ampliar a capacidade de concessão de crédito para capital de giro a empreendedores, sobretudo para micro e pequenos negócios.

“O investimento da Goldman Sachs nos ajudará a seguir com o objetivo do Mercado Pago de democratizar o acesso aos serviços financeiros e ao crédito na América Latina. Grande parte dos vendedores que atuam no Mercado Livre e no Mercado Pago são micro e pequenas empresas que não possuem acesso ao sistema financeiro tradicional. No Mercado Pago, não estamos somente promovendo a inclusão financeira, mas também proporcionando financiamento para os que desejam expandir seus negócios”, diz Martín de los Santos, vice-presidente sênior do Mercado Crédito.

“Estamos extremamente entusiasmados em continuar a parceria com o Mercado Livre na democratização dos mercados financeiros da América Latina e no fornecimento de crédito às empresas e comerciantes que hoje não têm acesso”, garante Santiago Rubin, Diretor Geral e head de Tecnologia, Mídia e Telecom para a América Latina do Goldman Sachs.

A oferta de crédito do Mercado Pago está disponível na Argentina, Brasil e México, países que já concederam mais de US$ 1 bilhão e mais de 1,3 milhão de contratos de créditos de capital de giro, alcançando cerca de 600 mil vendedores. “Nossos usuários valorizam o acesso ao crédito e a facilidade e transparência na contratação. Com um clique e sem burocracia, os vendedores acessam o crédito de forma 100% digital. Isso representa uma experiência incomparável no sistema financeiro tradicional e explica porque 80% deles voltam a tomar crédito conosco”, explica Martín de los Santos.

Em um País como o Brasil, em que apenas 18% dos pequenos negócios conseguiram tomar crédito em meio à pandemia, o Mercado Pago se consolida como fintech que fomenta o acesso ao crédito, ao conceder desde o início da operação de crédito mais de R$ 2,4 bilhões, gerando mais de 1 milhão de contratos de crédito para 500 mil pequenas e médias empresas que vendem no Mercado Livre ou com soluções de pagamento do Mercado Pago.

Empresa mais valiosa da América Latina

No mês passado, o Mercado Livre foi avaliada como empresa mais valiosa da América Latina, de acordo com um relatório emitido pela empresa de informação financeira Economatica, ultrapasando a mineradora Vale. Ainda conforme o documento, além do Mercado Livre, as empresas brasileiras Itaú Unibanco, Ambev, Bradesco, WEG, Magazine Luiza, B3, BTG Pactual, Santander Brasil, Banco do Brasil, Vivo (Telefônica Brasil), e B2W Digital também estão entre as 2o companhias mais valiosas da América Latina.