A cada ano, a IBM apresenta cinco maneiras pelas quais acredita que a tecnologia transformará fundamentalmente os negócios e a sociedade nos próximos cinco anos, com base no trabalho realizado nos laboratórios globais da IBM Research e nas tendências gerais da indústria.

As previsões do IBM 5 in 5 deste ano estão focadas em acelerar a descoberta de novos materiais para permitir um futuro mais sustentável. Em consonância com a chamada global das Nações Unidas para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, os pesquisadores da IBM estão trabalhando para acelerar a descoberta de novos materiais que endereçarão os principais problemas globais, como energia limpa, promoção de ações para melhorar a saúde da população mundial e o fortalecimento de práticas de sustentabilidade, produção responsável e ação climática.

A IBM acredita que, nos próximos cinco anos, novos materiais ou novos usos para os materiais existentes contribuirão para que a sociedade possa lidar com muitos dos desafios globais que enfrentamos:

– Captura eficiente de dióxido de carbono de nossa sobrecarregada atmosfera e armazenamento com segurança para mitigar mudanças do clima: nos próximos cinco anos, será possível capturar o CO2 do ar e transformá-lo em algo útil. O objetivo é tornar a captura e reutilização de CO2 eficiente o suficiente para que haja uma escala global. Com isso, poder reduzir significativamente o nível de CO2 prejudicial na atmosfera e, em última instância, desacelerar as mudanças climáticas.
– Encontrar maneiras mais sustentáveis de cultivar safras para alimentar nossa crescente população e, ao mesmo tempo, reduzir as emissões de carbono: nos próximos cinco anos, será possível reaplicar a capacidade da natureza de converter o nitrogênio do solo em fertilizante rico em nitrato, alimentando o mundo e reduzindo o impacto ambiental dos fertilizantes. Segundo a empresa, a ideia é apresentar uma solução inovadora para permitir a fixação de nitrogênio em uma escala sustentável que ajudará a alimentar a população mundial que se encontra em rápido crescimento.
– Repensar baterias e armazenamento de energia antes de ter que repensar no mundo: segundo a empresa, nos próximos cinco anos, irão descobrir novos materiais para o desenvolvimento de baterias mais seguras e com menor impacto ambiental, capazes de suportar uma rede de energia baseada em fontes renováveis. Muitas fontes de energia renováveis são intermitentes e requerem armazenamento. Ainda segundo a previsão, o uso de Inteligência Artificial e computação quântica resultará em baterias construídas com materiais mais seguros e eficientes para um melhor desempenho.
– Aprender com o passado para um futuro mais saudável: nos próximos cinco anos, a empresa pretende contribuir para a criação de tratamentos na área de saúde, auxiliando médicos e profissionais da linha de frente no combate a novos vírus potencialmente fatais e em uma escala maior do é atualmente possível. Uma combinação de Inteligência Artificial, analytics e dados pode ajudar potencialmente na análise rápida de evidências médicas, sugerindo caminhos para reaproveitamento de medicamentos e acelerando testes clínicos. No futuro, essas ferramentas podem ter ampla adoção em todos os setores, tornando-se efetivamente um dos meios de respondermos rapidamente a vírus globais potencialmente fatais.
– Criar dispositivos eletrônicos mais sustentáveis: nos próximos cinco anos, a ideia é avançar na fabricação de materiais, permitindo que os fabricantes de semicondutores melhorem a sustentabilidade de seus produtos. Os cientistas irão adotar uma nova abordagem para o design de materiais que permita à indústria de tecnologia produzir mais rapidamente materiais sustentáveis para a produção de semicondutores e dispositivos eletrônicos.

Normalmente, leva-se cerca de 10 anos e mais de US$10-US$ 100 milhões em média para descobrir um novo material com propriedades específicas. A IBM pretende reduzir as duas variáveis: o número de anos e o custo, em 90%, com a ajuda de tecnologias como Inteligência Artificial (IA), amplificação de dados com computação clássica tradicional e computação quântica emergente, e os chamados ‘modelos generativos’ e automação de laboratório, por meio da nuvem híbrida aberta.

A convergência dessas tecnologias permitirá modernizar o processo de descoberta humana de uma maneira fundamentalmente nova: saindo da coincidência, sorte e acaso, para uma condição de confiança calculada.

Primeiro, a IA consolidará todo o conhecimento da humanidade em um tópico específico. Então, os supercomputadores e, por fim, as simulações quânticas preencherão lacunas de conhecimento. Usando dados do passado capturados pela IA, criarão modelos para gerar hipóteses sobre os novos materiais necessários para enfrentar esse desafio. Por fim,  a fabricação e o teste desses materiais será automatizado, com a ajuda de tecnologias em nuvem. Dessa forma, todo o trabalho da IBM em tecnologia quântica, Inteligência Artificial, computação de alto desempenho e nuvem híbrida ajudará a acelerar o processo de descoberta.

Segundo a empresa, isso não significa que a companhia tá entrando no negócio de fabricação de materiais. “Nossos pesquisadores estão focados no desenvolvimento de processos que irão acelerar a descoberta e ajudar nossos clientes e parceiros a colocá-la em prática”, afirma a empresa.

Segundo a empresa de tecnologia, as previsões o IBM 5 in 5 demonstram o que é possível alcançar quando uma abordagem científica é aplicada para encontrar novos métodos e soluções para os desafios que o mundo enfrenta.