A Fazenda Futuro, foodtech brasileira dedicada à produção de carne à base de plantas, acaba de anunciar sua segunda rodada de captação de investimento de R$ 115 milhões para acelerar o desenvolvimento e inovação em novos produtos e expandir as exportações. O aporte foi liderado pelo BTG Pactual, Turim MFO, ENFINI Investments (Grupo PWR Capital) e os investidores da primeira rodada monashees e Go4it Capital.

“Com esse aporte queremos elevar novamente o mercado plant-based, com novos produtos e tecnologias, ainda mais inovação nos processos industriais e com um time competente para tocar o nosso plano, sem matar um boi sequer e mantendo nossas florestas longe dos frigoríficos”, destaca Marcos Leta, fundador da Fazenda Futuro.

Liderada pelos empreendedores Marcos Leta e Alfredo Strechinsky, fundadores da sucos do bem, vendida para Ambev em 2016, a Fazenda Futuro soma uma trajetória de sucesso e disrupção em um mercado completamente antiquado e sem inovação, sendo uma das empresas brasileiras mais jovens do segmento a expandir operação tão rápida para outros países, já sendo comercializada nos principais marketplaces da Europa, dos Emirados Árabes e se preparando para operar nos Estados Unidos.

Para Leta, essa captação também reforça ainda mais o potencial do Brasil para ser um hub de produção plant-based para o mundo. “Para isso, vamos intensificar nossa operação comercial e de marketing na Europa e acelerar a nossa chegada nos Estados Unidos. As pessoas estão começando a entender que não há mais planeta se mantivermos o consumo exagerado de carne animal”. Primeira brasileira eleita pela Fast Company como uma empresa World Changing Ideas 2020, a Fazenda Futuro tem mostrado que está no caminho certo da mudança que quer propor.

Trajetória da Fazenda Futuro

Lançada em abril de 2019, a Fazenda Futuro tem como objetivo produzir carne vegetal sem nada de origem animal com o mesmo gosto, textura e suculência de carnes bovina e suína.

Após três meses de sua fundação, em julho do ano passado, a startup anunciou um aporte de US$ 8,5 milhões liderado pela Monashees, o maior e mais ativo fundo de venture capital da América Latina, com participação da Go4it Capital.

Atualmente, a foodtech possui três produtos: Futuro Burger, Carne Moída, Almôndega e Linguiça. Todos possuem em suas bases de ingredientes proteína de ervilha, proteína isolada de soja e de grão de bico, além de beterraba para imitar a cor e o sangue da carne, tudo sem glúten, sem transgênicos e, claro, sem boi ou porco.

Com o atual aporte, a startup passa a valer R$ 715 milhões.