As startups de serviços financeiros, chamadas de fintechs, estão entre as que mais crescem no Brasil. Em um setor burocratizado e marcado pela alta regulação, ganham cada vez mais espaço empresas que têm modernizado o setor, unindo forças com grandes players e causando grande impacto no mercado. Não à toa, ao longo de 2019 a área atraiu US$ 910 milhões em aportes, 35% dos incentivos em venture capital no Brasil contabilizados no período.

Os dados são da segunda edição do Distrito Fintech Report, levantamento realizado pelo Distrito, empresa de inovação aberta que atua junto a startups, que também mapeou o número de empresas deste segmento no país: 742 startups.

O primeiro estudo sobre fintechs, feito em 2019, já apontava o setor como carro-chefe do ecossistema de startups no Brasil, com 553 empresas. Nesta nova edição, o levantamento consolidou o apontamento ao registrar um crescimento de 34,1%.  Vale destacar, entretanto, que tal variação não pode ser considerada apenas como um crescimento do setor durante o período, uma vez que diz respeito também a uma maior capacidade do Distrito em localizá-las. Entre as já identificadas no ano passado, 42 deixaram de operar, número que representa uma taxa de mortalidade de 5,7%.

Segundo o estudo, quase metade das fintechs brasileiras (49,6%) nasceram entre 2016 e 2019. Divididas em 14 categorias distintas, as três com maior representatividade  são as de Meios de Pagamento (16,4%), considerando aqui serviços, produtos e tecnologias para a  facilitação e o processamento de pagamentos; Crédito (15,8%), sistemas de oferta e concessão de crédito com base tecnologia; e Backoffice (15,1%), formado por fintechs que desenvolvem softwares e serviços para gerenciar a vida financeira de empresas.

“Ao longo dos últimos anos, ouvimos uma série de previsões sobre a sustentabilidade das fintechs. Chegamos em 2020 e podemos observar que essas startups não foram engolidas pelas empresas ou mesmo por grandes bancos. Pelo contrário, temos visto uma aproximação cada vez maior desses players, seja por programas de aceleração, parcerias ou mesmo contratações”, afirma Tiago Ávila, líder do Distrito Dataminer, braço do Distrito responsável pela elaboração de estudos do universo de startups. “Este ecossistema tem amadurecido e nossa expectativa é que esse movimento cresça ainda mais nos próximos anos”, completa.

Onde estão?

A região Sudeste é a que mais concentra startups do setor financeiro: são 70% delas frente a 20% no Sul; 5,4% no Nordeste; 3,6% no Centro-Oeste; e apenas 0,7% no Norte do País. Com o maior polo de startups do Brasil, São Paulo também detém mais da metade das fintechs, com 53,6%. Em seguida temos Rio de Janeiro, com 7,8%; e Minas Gerais, com 7,6%.

Tamanho

Mais de 40 mil pessoas trabalham em startups do setor financeiro no país. Aqui, a categoria com maior destaque também é a de Meio de Pagamento, que emprega cerca de 35% dos profissionais deste mercado. Cerca de dois terços das empresas mapeadas, entretanto, são de pequeno porte e possuem até 20 funcionários.

 Público-alvo 

Acompanhando o cenário do mercado brasileiro de inovação, as fintechs possuem preferência por modelos de negócio que atendem outras empresas: 55,8% delas atuam no mercado B2B (Business to Business). Na sequência, 28,4% atendem o público B2C; 10,8% atendem os dois públicos B2B e B2C; e 5% integram o novo conceito de B2B2C, chegando ao consumidor final por meio de outras empresas.

Perfil dos sócios 

As fintechs no Brasil costumam ter de dois a três sócios (média de 2,4), sendo 88% do gênero masculino e apenas 12% do gênero feminino, com média de idade 39,4 anos. O quadro societário das empresas é composto por pessoas de quase todo o Brasil. A grande maioria é de paulistas (49,5%), seguido por fluminenses (10,2%) e mineiros (9,1%).

Top 10 entre as fitnechs

O Distrito Fintech Report apontou ainda as 10 startups que mais se destacam no setor, tomando como parâmetro dados de número de funcionários, faturamento presumido, investimentos captados e métricas de redes sociais. São elas: Nubank, Ebanxs, Stone, PagSeguro, Neon, C6 Bank, PicPay, Creditas e Weel.

Fique de olho

O estudo destaca ainda uma relação de startups que têm apresentado um ritmo de crescimento acelerado, a partir da combinação dos aportes recebidos e da visibilidade que têm nas redes sociais. São elas Rebel, Olivia, Warren, Geru, Vindi, Pagar.me, Bcredi, BizCapital, idwall, Konduto, SmartMEI e Bom Pra Crédito.

Tendências para o setor

Entre todos os avanços tecnológicos e novas formas de pensar que se propõem mudar o setor financeiro, algumas têm recebido atenção especial de startups, grandes empresas e instituições que se interessam pelo tema. No estudo elaborado pelo Distrito, ganharam destaque quatro delas:

  • Open Banking: sistema de compartilhamento de dados que deve ser implementado pelo Banco Central ainda em 2020;
  • Pagamentos Instantâneos: que deve facilitar transações financeiras entre instituições e também entre pessoas físicas, com rapidez e baixas taxas, eliminando toda necessidade de dinheiro em espécie ou ferramentas de transação como TED ou DOCs;
  • Fintech As A Service: tecnologias e estruturas white label que permitem que empresas do setor financeiro ou até mesmo de outros setores ofereçam serviços incorporados;
  • Invisible Bank: conceito que trata de um futuro em que o sistema bancário ficará completamente invisível para os consumidores depois de conectado a plataformas que servirão de ferramentas intermediárias a  transações financeiras, sem que o usuário precise usar dinheiro, cartão ou qualquer dado bancário.

“Os maiores beneficiados pela evolução das fintechs, sem dúvida alguma, serão os consumidores. Com a descentralização dos dados, haverá espaço para novos produtos e isto gerará uma corrida por melhores serviços e menores taxas, de modo a garantir uma experiência mais intuitiva e prazerosa para o cliente”, afirma Ávila.

Confira aqui o Distrito Fintech Report na íntegra.