O novo coronavírus trouxe para a sociedade momentos desafiadores tanto na área da saúde quanto na economia. Assim, a transformação digital, para alguns negócios, teve que ser acelerada para mitigar os impactos da covid-19 em seus caixas.

A Rappi, startup que reúne serviços como aluguéis de patinete, saque de dinheiro e delivery de compras em geral dentro de um único app, teve um aumento de 300% nos acessos ao app desde o início da pandemia e tem ajudado milhares de negócios no processo de digitalização, ao oferecerem, através do superapp, seus serviços.

Durante a 3ª edição da Semana da Transformação Digital, Sergio Saraiva, CEO da Rappi, ressaltou que é o momento de pensar em um novo mundo digital e na forma em que é oferecido os produtos e serviços. “Não é mais cara a cara”, disse ele.

O CEO contou ainda que, diante do atual cenário, a startup tomou algumas medidas para fortalecer todo o ecossistema e auxiliar os parceiros cadastrados na plataforma. Uma delas foi o reforço do time de campo, ou seja, os shoppers e os entregadores – que receberam também, como medida de segurança, álcool em gel em máscaras para utilizarem durante o serviço.

A empresa também antecipou o pagamento para as lojas parceiras dentro do aplicativo e agora ele é repassado em 7 dias – anteriormente o prazo era de 14 dias. Além disso, para os restaurantes que possuem um menor volume de vendas, a Rappi também diminuiu o valor da taxa cobrado em relação às transações.

Como pequenas empresas podem se fortalecer durante a crise

Saraiva destacou que é preciso pensar em uma forma que todos saiam dessa crise bem e, por isso, é importante que todos se ajudem de uma forma colaborativa.

Ele reforçou que diante de cenários de crise, pequenas e médias empresas acabam se perdendo por não terem a devida atenção, por exemplo, do Estado. Como dica para esse momento, Saraiva aconselhou que o empreendedor procure saber como algumas entidades próximas a ele conseguem ajudar. Unido a essas entidades, o outro passo é procurar a prefeitura, que é uma das maiores beneficiadas em curto prazo com geração de emprego e impostos, segundo ele, e pedir auxílio. Um outro caminho seria chamar clientes e fornecedores para tentar negociar, caso a caso, contratos comerciais. A ideia é explicar que tudo está interligado e que a sobrevivência ou não de um negócio impacta também a outra ponta.

Outra dica importante é a procura de aliados, sejam eles da mesma região ou do mesmo segmento para que, juntos, tenham mais forças e assim mais chance de sobreviverem à crise.

Por último, Saraiva falou sobre a importância de manter a comunicação alinhada com todos os atores do ecossistema: cliente, fornecedor, colaborador, entre outros. “Expectativas podem ser absolutamente extintas e quando você precisar de uma decisão, cada um estará pensando de uma forma diferente”, complementou ele sobre a importância de garantir esse processo.

Transformação digital 

“A necessidade é a mãe de todas as invenções”, diz Saraiva sobre a importância dos negócios se adaptarem a esse momento de transformação digital.

Para ele, os negócios que não estavam preparados para isso, ou que estavam passando por essa transformação lentamente, precisam correr. “O que estava programado em 7 anos, o que estava programado em 2 anos, se não tem alternativa, corre. Trabalha 7 dias por semana, 15 horas, 20 horas por dia para colocar isso no ar”, complementou ele sobre o momento de adaptação.

Para o CEO, é hora de buscar, além de um planejamento para a sobrevivência do negócio, novas formas de inovação. Para isso, é importante que o empreendedor conte com a ajuda de amigos, familiares e outras pessoas próximas, pois nesse momento ninguém sabe o que pode dar certo ou não, então o ideal é que a empresa comece com pequenos testes e que, a partir dos resultados obtidos, se guie para o próximo passo.

Na busca pela digitalização, muita gente fica em dúvida sobre a melhor forma de oferecer o serviço.  Na dúvida entre implantar um telentrega em um restaurante ou cadastrá-lo em plataformas de entrega como a Rappi, Saraiva afirmou que a melhor opção é fazer os dois. Para ele, essa é a melhor maneira de atender aquele cliente que busca por atendimento personalizado e está acostumado a usar ligações, ao mesmo tempo em que consegue alcançar mais clientes, de forma rápida, através de plataformas de delivery.

Superapp 

Atualmente, a Rappi oferece serviços em diversas categorias como supermercados, restaurantes e farmácias e reparos para Iphones. Saraiva contou que a startup tem como objetivo ajudar ainda mais empresas com a transformação digital e que tem trabalhado bastante para a expansão de novas categorias. Como exemplo, o CEO falou sobre o Rappi Mall, categoria anunciada ano passado que inclui eletrônicos, eletrodomésticos, vestuário, produtos de beleza, casa, brinquedos, papelaria entre outros na plataforma.

Sobre a inclusão de uma empresa dentro da plataforma da Rappi, Saraiva explicou que o processo é simples e pode ser feito pelo site da startup.