* Por Elber Mazaro

Muitos podem pensar que Planejamento Estratégico é coisa de empresa grande, pois bem, nossa intenção é mostrar o contrário, que mesmo para uma empresa de um homem/mulher só, faz sentido ter um bom Planejamento Estratégico. 

Também acredito que existem muitos questionamentos sobre o valor de se planejar, quando vivemos em um mundo dinâmico, com mudanças rápidas e em muitos casos imprevisíveis. Na verdade, é neste cenário que o Planejamento Estratégico faz mais sentido.

Todo negócio/organização deveria desenvolver e manter um Planejamento Estratégico, para entender e orientar a sua existência e atuação no mercado. 

O Planejamento Estratégico é um processo dinâmico e contínuo que permite às empresas:

  • A definição ou revisão do propósito da organização (sua razão de existir no mercado); 
  • A análise ambiental para identificação de oportunidades e ameaças que possam ser consideradas a partir da compreensão das fortalezas e fraquezas da organização; 
  • A decisão por estratégias e objetivos específicos, os quais orientarão toda a operação da organização;
  • A definição de todos os elementos de controle, mensuração, aprendizado; e os planos de ações de todas as áreas e stakeholders da organização, para que se atinjam os objetivos definidos.

O Planejamento Estratégico, traz eficiência e principalmente eficácia, com alinhamento e sinergia na condução dos negócios da organização, adotando uma visão de longo prazo.

A partir da consciência sobre o que é o processo de Planejamento Estratégico, como este faz parte da Gestão Estratégica da organização (sendo uma espinha dorsal), e dos benefícios que podem resultar, é possível justificar a alocação de recursos (tempo, pessoas, e até algum investimento financeiro) para o seu desenvolvimento e manutenção.

Em resumo, o Planejamento Estratégico é o mapa para o entendimento de quem é a organização, qual seu propósito e seus objetivos (onde quer chegar), e como pretende atingi-los (estratégias – rotas / caminho e veículos). 

Pensando bem, nos dias de hoje, podemos dizer que o Planejamento Estratégico está mais para o “Waze” do negócio, pois como o aplicativo, deve ser algo dinâmico, que entende onde está o seu negócio atualmente, e monitora muitas variáveis, durante todo o percurso rumo ao destino programado, propondo ajustes de rotas e também trazendo informações sobre oportunidades e ameaças que surgem no trajeto.

Bom, mas o que é Planejamento Estratégico? E o que, não é?

As definições mais comuns apresentam o Planejamento Estratégico, assim:

  • Planejamento Estratégico é o processo de elaborar a estratégia de uma organização e definir como ela pode ser alcançada. Em outras palavras, a empresa reconhece a sua situação atual e faz uma projeção de futuro, isto é, como ela deseja estar daqui a alguns anos. Essa visão de longo prazo prevê mudanças que ajudem na diferenciação de negócio;
  • Planejamento Estratégico é um conceito comum no âmbito da administração, que significa o ato de pensar e fazer planos de uma maneira estratégica. É uma área do planejamento empresarial, que facilita a gestão de uma empresa;
  • O Planejamento Estratégico é um elemento da Gestão Estratégica, sendo deliberado e com posições bem definidas no processo de formulação da estratégia da organização. 

Alguns dos pontos a destacar dos conceitos e das definições acima descritos, são:

  • O Planejamento Estratégico é um processo dinâmico e contínuo (sem fim), que pode gerar um “output”, ou seja um documento, chamado Plano Estratégico. Portanto, é importante entender esta diferença, que apesar de ter fases e etapas, o processo é fluído e constante;
  • Também vale chamar a atenção para o processo de Planejamento Estratégico como parte de uma dinâmica maior, da Administração: a Gestão Estratégica, a qual vai desde este processo de planejar, até as funções de controle e aprendizado com a execução, sempre com uma visão de futuro (estratégica);
  • O nível em que ocorre o Planejamento Estratégico é o mais alto na gestão do negócio, ou seja acima do tático, do dia a dia, e da implantação/execução ou seja do operacional;
  • No Planejamento Estratégico, são tomadas decisões sobre os objetivos (o que a empresa quer), e sobre como a organização pretende atingi-los (quais os caminhos), além de quando / prazo e muitas vezes até quem é deve ser o cliente alvo. Isto está mais relacionado a eficácia do negócio, do que necessariamente a eficiência.

Por que fazer um Planejamento Estratégico? Benefícios!

Primeiramente, o Planejamento Estratégico traz um entendimento de quem é a organização, e isto é fundamental para todos os stakeholders poderem exercer os seus papéis e falarem a mesma língua. 

O Planejamento Estratégico promove a reflexão, a revisão e até mesmo a definição da essência do negócio da organização, quando falamos de propósito, missão, visão e valores, que vão nortear todas as iniciativas no dia a dia.

Através do processo de Planejamento Estratégico, também se compreende o contexto em que a organização está inserida, incluindo as tendências e os fatores externos que podem impactar o mercado e consequentemente o seu negócio, no longo prazo. 

No Planejamento Estratégico, são identificadas oportunidades e ameaças que devem ser consideradas pela organização, em conjunto com os seus pontos fortes e fracos, normalmente organizados através da produção, da famosa matriz S.W.O.T.  (Strenghts – Forças, Weakeness – Fraquezas, Opportunities – Oportunidades e Threats – Ameaças). 

O Planejamento Estratégico forçará a empresa a definir objetivos e metas, que guiarão a alocação de recursos e as ações de todos, rumo a uma visão de futuro. Essa visão também pode ser usada para motivar, alinhar, integrar e orientar todos que se envolvam com a organização.

Ter um Planejamento Estratégico evita descontinuidades (mudanças de rumo inesperadas) e torna as decisões mais racionais, por seguirem e se integrarem ao processo definido com uma lógica previamente discutida.

Quando se envolve um time no processo de Planejamento Estratégico também se está criando um modelo mental, de pensamento estratégico, onde as pessoas podem trabalhar com uma visão de longo prazo, explorar causas e consequências, as influências internas e externas, e racionalizarem as decisões e ações em uma jornada empresarial.

O Planejamento Estratégico vai orientar programas, projetos e atividades continuadas na busca pela eficiência, mas sobretudo da eficácia, em todas as áreas e níveis da organização, indo da produção ao atendimento dos clientes, passando por vendas e marketing, tanto de produtos como de serviços.

Resumindo, alocamos recursos e esforços para o Planejamento Estratégico, porque este pode definir o sucesso da organização e qual o caminho para se chegar lá, de maneira competitiva, produtiva, efetiva e lucrativa.

Quando uma organização ou uma pessoa pensa em desenvolver um Plano de Marketing e/ou Vendas, a base, o ponto de partida, deveria ser o Planejamento Estratégico, que deve anteceder todos os demais planos da organização.

Quais são os principais passos do Planejamento Estratégico?

Existem muitos modelos e práticas para o desenvolvimento de um Planejamento Estratégico, mas basicamente todos seguem a sequência apresentada a seguir:

  • Definição de orientação organizacional: missão, visão e valores;
  • Análises ambientais ou diagnóstico: resumidas em uma SWOT (ambiente externo: oportunidades e ameaças, e aspectos internos: forças e fraquezas), entendimento da estratégia atual, do mercado / campo de atuação;
  • Definição de objetivos e estratégias: decisões entre opções sobre os seguintes aspectos: “o que”, “como”, “onde”, “quem” e “quando”, tanto do ponto de vista quantitativo quanto qualitativo. Esta etapa pode incluir a definição do público-alvo, dos fatores críticos de sucesso e do posicionamento estratégico, tanto da organização como um todo, quanto para áreas ou produtos; 

Há um certo consenso nos três pontos acima, apesar de muitos especialistas separarem a definição das estratégias e dos objetivos e alguns divergem sobre qual deve vir antes. Mas esta é a essência do Planejamento Estratégico.

A seguir vamos elencar outros elementos que seguem às três etapas essenciais descritas, e que são importantes para a efetiva execução de Plano Estratégico. Essas etapas fazem parte da transição do aspecto estratégico, de mais alto nível, para o operacional / tático, do negócio:

  • Viabilidade: estudos e projeções financeiras e de alocação de recursos, detalhando resultados, balanço, índices e indicadores a partir dos objetivos e estratégias. Em alguns casos são desenvolvidos cenários e discutidos caminhos alternativos (planos b, c…);
  • Mapa Estratégico: normalmente é percebido como uma função seguinte ao Planejamento Estratégico tradicional, mas é uma ferramenta para detalhar e dividir os objetivos em metas, de acordo com a estrutura organizacional, permitindo um entendimento das contribuições e impactos de cada parte do negócio para as estratégias e objetivos do Plano Estratégico. Também é uma ferramenta muito útil para comunicação do plano, apresentando e representando o plano, graficamente, para todos os stakholders;
  • Implantação: um conjunto de ações definidas em um cronograma ou “rodmap” como macro atividades, etapas ou fases, muitas vezes associadas aos fatores críticos de sucesso, que fazem parte da preparação e da própria execução do plano estratégico;
  • Planos de ação: normalmente são os planos das ações de todas as áreas ou unidades de negócio, como o Plano de Vendas, o Plano de Marketing, o de RH; com um aspecto mais tático, ou seja, o detalhamento das ações e das respectivas atividades que serão executadas para o atingimento dos objetivos e metas derivadas do Planejamento Estratégico. Alguns definem esta fase como a Implantação;
  • Medição: a ferramenta mais comum aqui é o Balanced Score Card (BSC), usado para avaliar a execução do plano, com metas e indicadores organizados em várias dimensões e que podem chegar no nível individual, permitindo a conexão dos objetivos individuais com os que resultaram do Planejamento Estratégico, envolvendo todas as áreas da organização. Os processos de medição, revisão e quais os indicadores são definidos e implantados nesta etapa. O mais comum é o BSC, ou alguma alternativa de método de controle e medição ser trabalhado a partir do Mapa Estratégico.

Concluindo:

O Planejamento Estratégico pode ser uma ferramenta poderosa, com vários benefícios para a organização.

Reforçando, o Planejamento Estratégico é um processo que gera um plano, mas também que prevê revisões, gerenciamento, aprendizados e controle, durante todo o período, portanto é algo dinâmico e não estático.

Podemos concluir que: o Planejamento Estratégico pode fazer a diferença entre sucesso e fracasso, entre ter um mapa, ou melhor um aplicativo como o Waze, ou estar perdido, caminhando às cegas e sem um destino claro para o negócio ou até para uma pessoa.

É importante executar o processo de Planejamento Estratégico da maneira correta, em todas as suas fases, com alocação de tempo, recursos e esforços, adequada. Deve-se “fazer bem feito”, para a obtenção de resultados e de todos os benefícios.

O processo e os benefícios do Planejamento Estratégico, pode resultar em um grande diferencial no mercado, para empreendedores e pequenos/médios negócios.

Espero, com este conteúdo, ter ajudado no seu sucesso! 

Agora, mãos a obra!


elberElber Mazaro é assessor/consultor, mentor e professor em Estratégia, Tecnologia, Marketing, Carreiras/Liderança e Inovação/Empreendedorismo. Atua há mais de 25 anos no mercado, liderando negócios no Brasil e na América Latina. Possui mestrado em Empreendedorismo pela FEA-USP, pós-graduação em Marketing e bacharelado em Ciências da Computação.