*Por Elber Mazaro

Olá! Trago aqui o segundo artigo da série sobre Liderança e Gestão de Pessoas. No primeiro, falamos das habilidades que devem ser desenvolvidas e demonstradas por um bom líder, em três categorias:

  • Liderança de Si;
  • Liderança da Organização e;
  • Liderança de Pessoas.

Agora, vamos abordar as competência da liderança, olhando para o futuro e as principais tendências que já podemos identifica

Existem muitas competências que precisam estar no radar dos líderes e das organizações no presente e também no futuro.

Olhando a história da gestão, do próprio exercício da liderança e as principais tendências de mercado, podemos antecipar algumas evoluções e demandas para os líderes serem bem sucedidos.

Já existem muitos sinais, em alguns segmentos e mercados pioneiros, sobre o que será fator crítico de sucesso da liderança em pouco tempo.

Dentre tantas possibilidades elenco quatro características, habilidades e/ou competências agregadoras que representam uma leitura dos sinais e das tendências que impactarão cada vez mais a liderança, independente do tamanho do negócio ou da sua localização, apesar de entender o foco original em Brasil, conforme segue:

  • Líder Tecnólogo ou Tecnológico;
  • Líder Humano / Empático;
  • Líder Empreendedor / com Atitude Empreendedora;
  • Líder Ágil / Gestor do Tempo.

A primeira competência destacada é o domínio da tecnologia, dos seus modelos e da sua dinâmica. É uma demanda para o líder ser um pouco programador, um pouco hacker e estar preparado para usar a tecnologia a seu favor, na busca pelos objetivos individuais e coletivos em projetos e organizações.

O líder tecnólogo ou tecnológico, permitirá a coordenação, a orientação e o próprio exercício da liderança não só com um conjunto de ferramentas, incluindo hardware e software…, mas também o entendimento de modelos de negócios disruptivos e exponenciais, que normalmente são baseados em novas tecnologias.

A inteligência artificial, o blockchain, cripto-moedas, e tudo mais que faz parte da Revolução 4.0, transformarão os mercados, e modificarão as relações, inclusive com os clientes, e esta transformação digital demanda líderes muito bem preparados.

Há um contraponto ao primeiro pilar da Liderança do Futuro, que é a competência da Empatia, ou a Humanização, que representa o segundo pilar para desenvolvimento dos líderes.

Apesar de toda a tecnologia, será necessário, saber lidar com gente.

As pessoas estão aqui no mundo, e vão continuar sendo a razão de ser de um líder, portanto as habilidades humanas para o relacionamento, para a liderança e até para a evolução dos serviços ao cliente, trazem uma necessidade de desenvolvimento da liderança com esta habilidade.

O autoconhecimento, a empatia, a gestão dos relacionamentos, o entendimento das necessidades e motivações das pessoas, a inteligência emocional, a comunicação efetiva, são competências que precisarão ser dominadas pela Liderança do Futuro, com maior ênfase. Estamos falando de habilidades que já são muito importantes e que serão ainda mais no futuro apesar e em função de todo ferramental tecnológico.

O terceiro pilar da Liderança do Futuro, também possui uma característica agregadora de habilidades e competências, sob o guarda-chuva, do que chamo de Atitude Empreendedora.

O líder do futuro, precisará cada vez mais, atuar como se fosse o dono do negócio (quando não o for), e isto demanda, entre outras coisas, a criação um propósito claro, forte e inspirador / agregador, tanto para as organizações como para os projetos com os liderados.

Além do propósito, com visão de dono, e grande amplitude (pensando grande) a ser moldado pelo líder do futuro, a Atitude Empreendedora destacada aqui, inclui as competências de saber assumir riscos, aprender rapidamente, sendo tolerante a falhas e muito persistente / resiliente na busca constante pela inovação.

A Liderança do Futuro, independente da indústria / segmento e do tamanho da organização, será desafiada a transformar negócios, explorar novas oportunidades e com isto a inovação, a criatividade, a reinvenção inclusive da própria Atitude Empreendedora, serão fundamentais para o sucesso.

Completando os quatro pilares (podemos até imaginar uma cadeira ou mesa, com os seus quatro pés para ilustrar a ideia) para a Liderança do Futuro, trago a competência de Gestão da Velocidade e do Tempo.

Há no mercado uma busca por um líder ágil, devidamente preparado para lidar com um mundo muito dinâmico, onde a velocidade nas decisões e ações, faz toda a diferença, principalmente para a liderança, seja na gestão de pessoas ou na busca das organizações pela posição de liderança no mercado.

A competência de saber lidar com a velocidade das decisões, das ações e das reações, não implica em ser apenas mais rápido, mas também em saber os momentos certos para reduzir a velocidade ou até parar um pouco, buscando o bem dos indivíduos, do coletivo e da organização como um todo.

Sabemos que em todos os fatores / tendências que influenciam os três pilares apresentados primeiramente (tecnologia, comportamento humano e atitude empreendedora) há um fator de aceleração no ritmo que afeta quase tudo em nossas vidas, e o líder deve  buscar conceitos, técnicas e ferramentas que permitam lidar com este ativo tão valioso ao ser humano, chamado: tempo.

Olhar para a Liderança do Futuro, já é um passo para se entender o que pode ser feito na sua organização e assim sair na frente, se diferenciar e com uma preparação e um posicionamento adequados, ser bem sucedido. Parabéns!

Foque nos quatro pilares apontados aqui, como complementares aos demais conteúdos apresentados no primeiro artigo,  e que te apoiarão no presente e criarão as bases para crescer, se destacar e principalmente liderar no futuro, que já bate à porta, ou seja, ocorrerá muito em breve. Só depende de você.

Lembre-se Liderança é ação, então mãos-a-obra.


Elber Mazaro - Espaço do Executivo

Elber Mazaro é assessor/consultor, mentor e professor em Estratégia, Tecnologia, Marketing, Carreiras/Liderança e Inovação/Empreendedorismo. Atua há mais de 25 anos no mercado, liderando negócios no Brasil e na América Latina. Possui mestrado em Empreendedorismo pela FEA-USP, pós-graduação em Marketing e bacharelado em Ciências da Computação.