Nascida como uma unidade de negócios da AMATA para produção de madeira engenheirada, a Urbem recebeu um aporte de R$ 103 milhões, tornando-se, assim, uma empresa independente, com capital e gestão próprios. A rodada de investimentos foi liderada pelo DX Ventures, fundo de corporate venture capital da Dexco e por um grupo de sócios da AMATA.

A fábrica em construção no sul do país deve receber os principais equipamentos até o final de 2021, com previsão de entrar em operação no segundo semestre de 2022. A capacidade de produção dos elementos estruturais CLT (sigla em inglês para cross-laminated timber) e MLC (madeira lamelada colada) de pinus será de 100 mil m³/ano, equivalente a 500 mil m² em área construída.

“Esse cenário posiciona a Urbem como uma importante produtora de madeira engenheirada em escala global, vindo ao encontro do aquecido mercado internacional e do amadurecimento do mercado brasileiro”, explica Ana Bastos, CEO da empresa.

A expansão nacional dessa tecnologia deve acompanhar a tendência de industrialização do canteiro de obras, que aumenta a participação desses sistemas construtivos em relação aos sistemas convencionais, como concreto e alvenaria. A estimativa da empresa é que quando a madeira engenheirada alcançar 10% do mercado total brasileiro, a demanda do setor representará cerca de 3 milhões de m³ por ano, 30 vezes a primeira unidade da Urbem. “Esses números demonstram o potencial de expansão desse setor, trazendo geração de valor ao longo de toda a cadeia, das florestas ao edifício construído.”, relata a executiva.

“Aspiramos protagonizar a transformação do setor da construção civil participando ativamente na cadeia de valor da madeira engenheirada. O setor pode ser menos artesanal e mais industrializado, com mais inovação, maior produtividade, nas melhores práticas ESG. Percebemos na Urbem, com seus acionistas e administração experiente, uma oportunidade de inovar e inaugurar nossos investimentos estratégicos via DX Ventures, nossa iniciativa em corporate venture capital”, reforça Daniel Franco, Diretor de TI, Desenvolvimento de Negócios e Inovação na Dexco.

A madeira engenheirada

A madeira engenheirada é uma tecnologia inovadora, robusta e versátil, que traz para o canteiro de obras redução do tempo de construção e de desperdício de materiais, além de melhores condições de trabalho e aumento da produtividade.

“O aspecto, no entanto, que distingue a madeira dos demais materiais é o fato de ela ser uma matéria-prima renovável e atuar na captura de gás carbônico, armazenando-o durante toda a vida útil. A oferta de madeira engenheirada em larga escala traz para o mercado imobiliário uma importante alternativa para atendimento dos critérios ESG.”, sintetiza Dario Guarita Neto, da Ecoa Capital e sócio fundador da AMATA.

Conexão entre marcas

A madeira engenheirada vem sendo estudada há cerca de 4 anos na AMATA, dentro de um movimento de redesenho de portfólio, como uma oportunidade única. A Urbem nasceu da visão de investidores e de executivos que foram se unindo em torno dessa inovação. Durante esses anos o foco esteve na validação da tese de negócios, no estabelecimento das bases para o desenvolvimento do mercado nacional e na construção do acesso ao mercado internacional. A partir dessa base sólida, com o novo aporte de capital, a Urbem está preparada para acelerar e escalar o negócio.

“A Dexco é o investidor estratégico ideal, porque tem ao mesmo tempo o DNA de pioneirismo e inovação e um olhar integrado, que começa na floresta, passa por diversos produtos e chega em todos os ambientes das edificações brasileiras. A oportunidade de trabalharmos juntos permite que a Urbem amplie seus canais de acesso ao mercado e participe de uma rede industrial forte e consolidada”, finaliza Ana Bastos.

* Foto em destaque: Ana Bastos, CEO da Urbem.


Quer acompanhar de perto todos os investimentos no ecossistema de startups? Siga as redes sociais Startupi e acesse nosso ranking de investimentos do mês.