A Startup LandApp, recebeu um aporte de R$ 1,7 milhão dos grupos de investidores-anjo BR Angels Smart Network, formado por empreendedores e executivos de grandes empresas, e GVAngels, composto por ex-alunos da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Responsável pela primeira solução tecnológica e sustentável para construtoras e caminhoneiros, a startup iniciou suas operações em 2020 e faturou R$ 4,8 milhões em doze meses. Com a captação, a empresa pretende otimizar os serviços oferecidos aos clientes e caminhoneiros parceiros, além de acelerar o lançamento de novos produtos para chegar à marca de mil caminhões ativos e 2.467 obras atendidas ao ano, até 2025.

Totalmente on-line, a plataforma permite que o cliente solicite e acompanhe o transporte de materiais e resíduos da sua obra de forma segura e confiável. Após o cadastro da obra, com volume e tipo de material a ser transportado, ele faz o planejamento logístico com apenas alguns cliques, enquanto a LandApp conecta o número ideal de transportadores autônomos com parceiros – como jazidas, aterros e recicladores – para o envio ou recebimento dos produtos a serem tratados de forma correta. Através do Aterro Zero LandApp, também é possível compartilhar materiais entre obras, o que reduz as distâncias percorridas pelos caminhões e, como consequência, diminui os custos e as emissões de CO2.

As viagens dos caminhoneiros ainda são monitoradas em tempo real por meio de geolocalização, o que permite o atendimento de vários segmentos e regiões simultaneamente, o acompanhamento da produtividade e a verificação da evolução do projeto. Assim, a startup simplifica processos, promove governança e transparência, além de impactar no preço de operação de todo o fluxo de materiais e resíduos da construção civil.

Para os caminhoneiros, a LandApp disponibiliza um aplicativo mobile que permite a gestão na palma da mão das obras em que desejam trabalhar, com controle de agenda, ganhos e viagens realizadas, além de parcerias e descontos exclusivos. A startup tem o objetivo de desenvolver a comunidade de motoristas de caminhão no Brasil, assim como contribuir para a maior rentabilidade e segurança da classe.

“Essa rodada de investimento chega em um momento estratégico e fundamental para a tração de nosso negócio. Já temos novas frentes do nosso produto validadas por grandes clientes e agora teremos a oportunidade de ampliar cada vez mais nosso propósito de promover a sustentabilidade, produtividade e redução de custos na construção civil. O desafio é enorme, mas temos o grande sonho de ser a maior plataforma de serviços do setor”, declara o fundador e CEO da LandApp, Matheus Protti.

De acordo com a sócia-fundadora da startup Mayara Protti, a estratégia de desenvolvimento do negócio caminha juntamente com a preocupação em mitigar os impactos socioambientais da construção civil. “Nós identificamos que o setor da construção civil, em que a nossa família atua há 60 anos, possui um problema de produtividade persistente, além de ser uma das atividades de maior pegada ecológica do planeta. Quando começamos a planejar a startup, ficou claro que queríamos usar a tecnologia para revolucionar esse mercado. Nós decidimos iniciar pelo transporte e destinação de resíduos, pois essa é uma questão-chave dentro do pilar de Meio Ambiente do ESG. Em um ano de operação, já tivemos resultados que mostram que estamos no caminho certo para ser uma empresa de real impacto, como a redução de 114 mil km que seriam rodados pelos caminhões sem a gestão da LandApp – isso representa aproximadamente três voltas completas na Terra”, explica.

Com um ano de existência, a LandApp atingiu um total de 37 obras e atendeu clientes como a Construtora Tenda, Cyrela, Construtora Cury, Porto Ferraz, Trisul, dentre outros. Durante a pandemia do coronavírus, a startup saltou de 15 caminhoneiros parceiros ativos no aplicativo mobile para mais de 300 com ao menos uma viagem realizada por meio da plataforma.

Na visão de Orlando Cintra, fundador e CEO do BR Angels, a startup veio para suprir um déficit histórico na construção civil, além de propagar o ESG (Environmental, Social and Governance) na área. “Atualmente, o processo de logística na construção civil tem alto custo, é pouco profissionalizado e gera um grande impacto ambiental. A possibilidade de fazer a gestão de uma obra em uma plataforma completa, que conecta clientes à mão de obra qualificada e confiável, é muito inovadora e eficaz. Também consideramos que o propósito da empresa, de ser sustentável e promover a classe de caminhoneiros, é fundamental e acreditamos nele”, afirma.

À frente da operação de investimento, o associado do BR Angels Paulo Mariotto destaca o diferencial da empresa. “A LandApp é um ótimo exemplo de inovação pois nasceu digital para atuar em um mercado tradicional. Agora, além do capital disponibilizado pelos investidores, a startup também terá acesso a uma rede de profissionais muito qualificada para apoiar o time fundador”, diz.

Para Lucas Santiago, líder do aporte pelo GVAngels, existe um potencial claro de crescimento na proposta da LandApp. “O mercado de remoção de resíduos de construção civil é grande, estimado em R$ 8 bilhões. Hoje, a LandApp oferece uma solução única para caminhoneiros e gestores de obras e não existem competidores diretos com oferta similar, apenas empresas especializadas em demolição e terraplenagem”, diz.

Já o diretor-executivo do GVAngels, Wlado Teixeira, destaca os diferenciais do negócio da startup. “Quando a LandApp se apresentou no fórum dos membros investidores do GVA, fiquei impressionado sobre como os empreendedores conseguiram criar uma empresa que ao mesmo tempo traz grandes benefícios ao meio ambiente e ajuda a melhorar as condições de trabalho de caminhoneiros, por meio de uma operação eficiente e rentável da empresa”, finaliza o executivo.

Foto de destaque: Matheus Protti e Mayara Protti, sócios-fundadores da LandApp.


Quer acompanhar de perto todos os investimentos no ecossistema de startups? Siga as redes sociais Startupi e acesse nosso ranking de investimentos do mês.