Ir para o conteudo

A velocidade, o 5G e o homem: o futuro já deu as cartas

* Por Cristovão Wanderley

A pandemia acelerou de tal forma a evolução tecnológica no Brasil que uma pesquisa recente da Catho revelou um aumento de 671% nas oportunidades de emprego na área, em relação a 2019. E, obviamente, trata-se de um fenômeno mundial. Do Vale do Silício aos grandes centros de produção de conhecimento, passando pelos laboratórios da indústria farmacêutica e chegando aos marketplaces, startups e até aplicativos de entrega de comida em domicílio, o fato é que a vida como conhecíamos mudou.

Em muitos sentidos, tornou-se mais rápida e mais conectada, estabelecendo novos patamares para a nossa relação com as pessoas, com os espaços físicos habitados e com o nosso comportamento como consumidores e cidadãos. Tudo impulsionado pelo uso da tecnologia. 

Ao traçar as principais tendências para 2021, o Gartner dá um exemplo bastante ilustrativo desse salto tecnológico: operários de várias indústrias, ao retornarem a seus postos de trabalho, foram surpreendidos por dispositivos que controlavam o uso de máscara e a frequência na lavagem das mãos de cada trabalhador. Pesquisadores, como o brasileiro Silvio Meira, classificam esse avanço como uma “mudança de era”, que desafia os negócios a seguir seus clientes na velocidade das mudanças.

Podemos dizer que esse chacoalhão tecnológico está servindo como um intensivão do que vem por aí. No final de fevereiro, a Anatel aprovou o edital de licitação do 5G. Sim, ainda é preciso esperar o parecer do Tribunal de Contas da União e aguardar o leilão, previsto para julho.

Ou seja, os efeitos práticos dessa aprovação só vão ser sentidos mesmo lá para 2022; o que dá a muitos negócios a oportunidade de “arrumar a casa” e reprogramar as estratégias. É hora então de arregaçar as mangas, afinal, há muito pela frente. 

Imagine o que um sistema que escancara as portas para a inteligência artificial é capaz de fazer pelo seu negócio? Considere agora todas as modalidades que podem vir a reboque, como a internet das coisas e de comportamento (IoT), a realidade virtual e a robótica elevada a outra dimensão. Quem achava que teria apenas uma internet mais rápida, pensou pequeno.

O Movimento Brasil Digital, o IDC estima que o impulso dado pelo 5G a tecnologias associadas – incluindo robótica, segurança da informação, nuvem pública, internet das coisas (IoT), Big Data e Analytics, realidade aumentada e virtual (AR/VR) e inteligência artificial – vai gerar aproximadamente US$ 22,5 bilhões em receitas para o país entre 2020 e 2024. Isso representa um crescimento anual médio de impressionantes 179%.

Até aqui falamos sobre a velocidade com que as coisas estão caminhando, de certo modo atropelando os gargalos analógicos. Mas, é sempre bom lembrar:  aceleração não é apenas uma questão de tecnologia. Ela requer também o esforço de repensarmos as formas como o trabalho é executado, os processos são realizados e as decisões são tomadas, a fim de permitir maior agilidade e melhor adaptação às novas culturas de trabalho e negócio.

Para cada byte e para cada algoritmo, há pessoas com diferentes hábitos e diferentes graus de percepção, habilidades e envolvimento com a tecnologia. Isto é, os líderes têm que correr com o arcabouço digital, mas não podem abrir mão de uma gestão antropocêntrica.

Eles precisam não somente estruturar as mudanças para os funcionários e definir os novos valores, como também estar preparados para lidar com frustrações pois nem tudo vai funcionar logo nas primeiras tentativas. O processo de integração e aprendizagem é gradativo, queiramos ou não.

A velocidade de uma decisão deve, portanto, ser determinada pela velocidade com a qual ela pode ser revertida.  Os novos tempos vão cobrar tudo isso e ainda doses industriais de resiliência e coragem para testar, repensar e aprender tudo de novo.


Cristovão Wanderley é responsável por inovação, estudo de tendências de tecnologia e adoção de novas ferramentas, além de desenvolver estratégias de negócio por meio do marketing digital na Stratlab Inteligência Digital. Faz a análise de dados dos clientes e seus concorrentes, transformando essas informações em ações que resultam em aumento de ROI, receita e geração de leads. Formado em Design Gráfico pela Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP) e com especialização em MKT, Comunicação, Gestão de Mídias Sociais, DMB, Digital Transformation & Big Data – todos pela Escola Superior de Propaganda e MKT (ESPM), Cristovão tem ainda larga experiência em Growth Strategy, SEO estruturado para vendas e Social Selling.

Espaço Exclusivo para Empreendedores transmitirem conhecimento, desafios e experiências sobre aceleração, captação de investimentos, planejamento de marketing, escalabilidade, feiras e missões comerciais, internacionalização; know how sobre modelagem de negócios, mentoria, MVP, pivotagem, relação com investidores, com sócios, com clientes…e muito mais!

Matérias Relacionadas

No comments yet. You should be kind and add one!

Our apologies, you must be logged in to post a comment.