O mercado de tecnologia vem ganhando impulso em todo o mundo graças aos novos hábitos impostos pela pandemia do coronavírus. Gigantes como Apple, Netflix e Google viram suas ações se valorizarem no período, enquanto no Brasil as principais empresas do segmento atravessaram bem a turbulência que afetou a B3 em março.

Em países como China e Japão também não foi diferente. É de olho neste mercado, inclusive, que a Vitreo lança na próxima segunda-feira (5) o Vitreo Tech Asia FIA BDR Nível I, fundo de ações que investirá em gigantes asiáticas como Baidu, Alibaba e Taiwan Semiconductor.

O produto é o terceiro de uma série de fundos criados pela Vitreo Gestão e que são voltados para o segmento de tecnologia. O primeiro deles, o Tech Select, já captou R$ 250 milhões com mais de 12 mil cotistas, investe em big techs americanas como Amazon, Apple e Microsoft. O segundo é o Tech Brasil, que conta com Locaweb, Sinqia, Stone, PagSeguro e Mercado Livre entre as investidas e desde julho passado, quando foi lançado, já captou mais de R$ 54 milhões, com mais de 4 mil cotistas.

Agora, com o Tech Asia, que assim como os outros fundos da mesma família é voltado para investidores de varejo, a Vitreo contempla um dos mercados que mais cresce no mundo e que tem atraído grandes investidores internacionais – o mais proeminente deles é o megainvestidor americano Warren Buffett, que em agosto deste ano investiu cerca de US$ 6 bilhões em empresas asiáticas. 

O Tech Asia conta com aplicação mínima de R$ 5 mil, taxa de 0,9% ao ano e não tem taxa de performance. Além disso, atendendo às normas da CVM para fundos de varejo, o produto conta com até 20% de exposição direta às ações no exterior e vai investir os outros 80% em papéis de empresas asiáticas via BDRs Nível I. De acordo com os gestores, a expectativa é captar R$ 250 milhões até o final do ano.

Para George Wachsmann, sócio e chefe de gestão da Vitreo, a casa também espera oferecer aos brasileiros a oportunidade de investir de forma indireta no IPO do Ant Group, o braço de serviços financeiros da Alibaba, e que nos próximos dias deve fazer a maior oferta pública de ações já registrada na história. “O mercado internacional aposta que o grupo deve se tornar em pouco tempo uma das empresas mais valiosas do mundo. Ainda não dá para garantir que vamos conseguir comprar os papéis na oferta inicial, mas desde já estamos nos preparando para incluir as ações do grupo na composição do fundo”, explica.

“O Ant Group teve faturamento de US$ 10,5 bilhões e registrou um lucro de US$ 3 bilhões no primeiro semestre deste ano, um crescimento de 1000% sobre o lucro do mesmo período do ano passado. Quase metade desse valor veio por serviços digitais de pagamentos”, comenta Wachsmann.