Com menos de um ano após seu lançamento, a Amyi, startup brasileira de perfumaria, anunciou uma rodada de investimento-anjo no valor de R$ 1 milhão. O aporte, que foi liderado pelo GVAngels com a participação do Fundo Wishe, será usado em novos produtos, avanços na jornada sensorial e educativa online, incremento do time e ações de growth hacking.

“Queremos ser a marca brasileira de perfumaria mais reconhecida no mundo e para isso, continuaremos trazendo perfumes inéditos de altíssima qualidade, criados com total liberdade criativa por grandes perfumistas brasileiros, vivenciados em novas jornadas sensoriais e educativas online cada vez mais interativas e dinâmicas”, afirma Luciana Guidi, cofundadora e CMO da Amyi.

“E esse é só o começo. Vamos continuar ajudando os brasileiros a ter mais conhecimento sobre perfumaria ao observar ingredientes e rotas olfativas que agradam e que não agradam em nossa jornada de experimentação, para então podermos criar perfumes verdadeiramente personalizados para cada um de nossos consumidores, com a ajuda de Inteligência Artificial“, afirma Larissa Mota, cofundadora e CEO da Amyi.

O GVAngels, líder da rodada, é um grupo de investidores-anjo formado por ex-alunos da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Desde sua criação, em abril de 2017, a rede de 215 alumnis da escola já investiu em aproximadamente 22 startups de alto potencial de crescimento e escala com cheques de até R$1 milhão. Além do aporte financeiro, as empresas investidas recebem acesso ao smart money de executivos C-Level e empreendedores de sucesso que compõem o grupo.

“Dois pontos chamaram a atenção do nosso grupo. As cofundadoras, Larissa e Luciana pelo seu conhecimento, capacidade e postura. E a avaliação extremamente positiva e entusiasmada dos clientes sobre a Experiência Amyi e qualidade das fragrâncias. Uma combinação perfeita de uma proposta de valor relevante, construída por empreendedoras muito qualificadas”, afirma Marcelo Franco, investidor-líder da rodada pelo GVAngels.

A Wishe, grupo de investimento focado em startups inovadoras lideradas por mulheres, completou o aporte. O objetivo do grupo é eliminar o gap de gênero no ecossistema de startups, levando capital para empresas fundadas por mulheres com alto potencial de crescimento, oferecendo educação e conexão para quem investe e gerando valor econômico e impacto social.

“Estamos muito felizes e orgulhosas em ter a Amyi como parte do nosso portfólio, uma empresa disruptiva no grande e tradicional mercado de perfumaria no Brasil, liderada por duas empreendedoras brilhantes, com profundo conhecimento de mercado e enorme capacidade de execução. Vemos na Amyi um investimento muito atraente e que servirá de inspiração para outros cases que surgirão nos próximos meses”, diz Rafaela Bassetti CEO da Wishe.

Prêmio internacional

A Amyi é uma marca de perfumaria nativa digital brasileira que nasceu com o objetivo de revolucionar o mercado no país, ao integrar uma jornada olfativa que começa com nove fragrâncias inéditas, a um conteúdo construtivo que amplia o conhecimento do consumidor.

Além de apresentar a parte técnica de uma forma amigável, a Experiência Amyi traz um processo que ajuda na compreensão das emoções despertadas pelo cheiro, proporcionando uma escolha mais consciente e verdadeira por um novo perfume.

Desde o lançamento em novembro de 2019, a Amyi já faturou mais de R$ 400 mil e levou mais de 1 mil Experiências Amyi e Kits Sensoriais para os consumidores, que incluem homens e mulheres.

Neste ano, o perfume Amyi VIII, criado com exclusividade pelo perfumista Samuel Moraes, foi nomeado finalista da sétima edição anual do prêmio “Art and Olfaction Awards”, em cerimônia realizada na cidade de Los Angeles, Califórnia, em setembro de 2020. É a primeira vez que uma marca brasileira alcança esse feito. Selecionado entre mais de centenas de inscrições recebidas ao redor do mundo, Amyi VIII passou para a etapa final após teste cego realizado com 12 especialistas do mundo da perfumaria.

O Brasil é hoje o segundo maior mercado de perfumaria do mundo e movimentou mais de R$ 26,9 bilhões em 2019. Além disso, o país tem o maior consumo per capita do mundo em litros, chegando quase a três vezes o consumo da França, de acordo com o Euromonitor.