A Conductor, plataforma de processamento de pagamentos e banking as a service, anunciou hoje que captou US$150 milhões em uma rodada de investimentos liderada pela Viking Global Investors, com participação adicional de investidores como a Sunley House Capital Management, afiliada da Advent International. Os novos acionistas se unem aos investidores institucionais já existentes, Riverwood Capital e Visa.

A startup possui uma plataforma full stack de processamento de cartões e adquirência. Com ela, a empresa fornece soluções às principais fintechs, bancos, varejistas e companhias de todos os setores, permitindo-lhes lançar e escalar programas inovadores de cartões e contas digitais. Suas soluções abertas através de APIs e baseadas em nuvem abrangem o processamento de cartões, banking as a service e outros serviços financeiros digitais. Atualmente ela é responsável por mais de 85 milhões de contas e processa mais de US$ 20 bilhões em volume de pagamentos em toda a região.

“A missão da Conductor é modernizar e democratizar o ecossistema de pagamentos na América Latina. Nosso negócio cresceu 10 vezes nos últimos anos, e estamos apenas começando”, disse Antonio Soares, CEO da Conductor. “Com esta captação, vamos acelerar nossos investimentos em produtos para capitalizar a enorme oportunidade que temos pela frente no Brasil e em toda a região”.

Além do desenvolvimento de produtos, esta nova rodada de investimentos permitirá à Conductor acelerar o crescimento internacional. O anúncio vem na esteira de um ano histórico para a companhia, com a performance robusta no processamento de cartões, o crescimento acelerado do negócio de banking as a service com a Dock, a aquisição da Muxi, e o início de sua expansão internacional nos principais mercados da América Latina.

Joaquim Lima, sócio da Riverwood Capital, principal investidor institucional da empresa desde 2014, disse: “o time da Conductor construiu uma plataforma de tecnologia única e líder no setor. Estamos muito animados com as oportunidades que a companhia tem pela frente de fornecer a espinha dorsal da tecnologia para catalisar fintechs, modernizar bancos e permitir que grandes empresas lancem soluções de pagamento”.