A startup brasileira AZpop, plataforma que permite ao usuário contratar ou oferecer serviços via WhatsApp, foi uma das selecionadas para participar do programa de aceleração Product Club, nos Estados Unidos. A participação no projeto rendeu à empresa um aporte de R$ 1,8 milhão que ajudará no desenvolvimento do produto e novas funcionalidades.

A ideia para a criação da plataforma surgiu em 2019 em uma conversa entre os dois fundadores, Daniel Scocco e Fernando Buglia, quando pensavam numa plataforma que conectasse pessoas à procura de imóveis e imobiliárias. Daniel relembra que durante a conversa eles perceberam que as pessoas não querem mais uma plataforma, mas sim o WhatsApp daqueles estabelecimentos. “E claro que não havia motivo algum para que o novo empreendimento visasse apenas o ramo imobiliário, visto que qualquer setor é dominado pelo WhatsApp”, destaca Daniel.

Totalmente gratuito, tanto para profissionais quanto para usuários, o AZpop já atua em todos os estados brasileiros e tem mais de 200 mil comércios e profissionais cadastrados na plataforma. O AZpop ainda possui uma versão premium que dá mais destaque para aquele profissional dentro da plataforma.

Daniel explica que para realizar o cadastro, o profissional ou o comércio deve ter apenas um WhatsApp válido para atender os clientes. “Vale ressaltar que a veracidade dos dados é checada pela nossa equipe, garantindo que exista um profissional de fato relacionado ao negócio”, conta.

AZpop

Daniel Scocco e Fernando Buglia, fundadores do AZpop.

Com uma média de 450 mil usuários ativos por mês, somando as versões mobile e web, Daniel garante que seu diferencial está em ajudar o cliente na procura por um serviço ou estabelecimento comercial em sua cidade. “Não importa o profissional que ele esteja procurando, em poucos segundos ele já estará cotando o serviço, via WhatsApp, com diversos prestadores de serviços. Sem formulários nem burocracia”.

Aceleração nos Estados Unidos

Recentemente, a startup foi selecionada para participar do Product Club. O programa de aceleração americano, com duração de 10 semanas, é focado em desenvolvimento e aprimoramento do produto. “Esse foco é o grande diferencial dele, pois outros programas tendem a focar em crescimento de receita e captação de recursos”, afirma Daniel.

Em cada semana, os empreendedores tiveram a oportunidade de conversar com mentores que são referências em suas respectivas áreas. Entre eles, Manik Gupta, ex-chefe de produto na Uber, que falou sobre visão e roadmap de produto, e Josh Elman, que já liderou equipes de produto no Google, Twitter e LinkedIn.

O Product Club recebeu mais de 500 inscrições e somente 3 startups foram selecionadas. Segundo Daniel, o AZpop pôde ficar nessa posição devido à três aspectos principais: “a simplicidade da ideia, a tração demonstrada nesse primeiro ano e a honestidade na hora de apresentar a empresa para os possíveis investidores, ressaltando tanto os pontos positivos quanto os negativos”, conta.

A participação no programa de aceleração também rendeu ao AZpop um investimento de R$ 1,8 milhão. Desse valor, US$ 100 mil foram provenientes do Product Club enquanto o restante do montante foi captado através dos fundos Weekend Fund, do fundador do Product Hunt Ryan Hoover; Hustle Fund, fundado por Eric Bahn ex- sócio da 500 startups; e dos investidores James Beshara; Nick Cantino; Moshe Lifschitz; e Dan Teran.

Daniel conta que os recursos serão utilizados no desenvolvimento do produto para trazer novas funcionalidades que possam ajudar ainda mais os usuários, sejam eles lojistas ou não.

Jornada empreendedora

Daniel e Fernando são amigos de infância e dividem a paixão pelo empreendedorismo e inovação.

Daniel, por exemplo, estudou economia internacional em Bocconi, Italia, mas conta que sempre foi apaixonado por tecnologia e aprendeu a programar sozinho para criar seus próprios projetos. “Somados meus sites e apps já receberam mais de 150 milhões de visitantes/usuários, e já ganhei competições de programação da Ford e MasterCard”, destaca.

Já Fernando se formou em Física, pela Unicamp, mas revela também que sempre gostou muito de empreendedorismo. “Sou fundador do infoEnem, um dos portais de maior destaque no Brasil sobre o Exame Nacional do Ensino Médio – Enem, no qual ainda faço parte. Como gosto muito de economia (fiz pós-graduação nessa área) e também por criptomoedas, me arriscar num projeto como o aplicativo AZpop parecia ser apenas questão de tempo”, conta.

Pensando em expandir a operação da startup para outros países, provavelmente na América Latina e/ou Europa, Daniel fala sobre as diferenças entre empreender no Brasil e no exterior. Segundo ele, a burocracia e a insegurança jurídica brasileira ainda limitam bastante novas ideias e projetos no País, entretanto, para o empreendedor, o Brasil possui um mercado muito grande e com muitas oportunidades.  “Por isso, acreditamos que uma desburocratização e mais segurança jurídica podem transformar o Brasil num dos polos mundiais de investimentos e empreendedorismo”, finaliza o empreendedor.