A segunda temporada da série “O Anjo Investidor” já passou da metade e a cada episódio, o público tem conhecido várias histórias de startups pelo País que buscam investimento com uma das pessoas que mais entende do assunto: João Kepler.

Na semana passada, você acompanhou a trajetória da paulistana Keepz, uma startup que oferece um drive-thru inteligente, ajudando prestadores de serviços e lojistas a divulgarem seus produtos e serviços por meio de uma plataforma online. Os responsáveis pela empresa tiveram a mentoria exclusiva do CEO da MBM Business School, Flávio Garcia, que ajudou-os a reformularem seu modelo de negócio e conseguirem o tão almejado investimento.

Desta vez, a startup selecionada foi a Lilu, empresa que oferece diversos serviços relacionados ao mundo pet, como banho e tosa, por exemplo. Atualmente, de acordo com a StartupBase, base de dados da Associação Brasileira de Startups (ABStartups), 50 empresas atendem este segmento no Brasil.

Segundo a CEO, Aline Lefol, o propósito da organização é levar a possibilidade dos bichinhos serem atendidos em casa, recebendo uma experiência de conforto, carinho e praticidade não só para eles, mas também a seus donos. “A gente quer ser o melhor amigo dos tutores pet, para tudo o que eles precisarem, higiene, banho, passeio, adestramento, ração, vacina”.

Destacando a capital paulista, ela conta que, apesar da dificuldade de empreender no Brasil, o caminho não é impossível. “Eu estou em São Paulo há pelo menos um ano. Eu vim engajada, com muita vontade, com muita sede de fazer acontecer, encontrei espaço e estou fazendo jus a esse espaço. Eu consegui entrar em programa de aceleração, aumentar minha rede de clientes, expandir minha startup, e consegui também encontrar meus sócios. Bem ou mal, São Paulo é uma cidade que está muito aberta à isso”. 

De acordo com Lefol, é preciso aproveitar o momento favorável que as startups estão passando. “Estamos vivendo a era das startups e se tiver um projeto ou uma ideia que resolva uma dor de mercado, que realmente faça sentido, o espaço está aí e precisa ser muito bem utilizado”, diz.

Aline também destacou o orgulho de empreender enquanto mulher. “A gente sabe das dificuldades que as mulheres têm em ocupar seus espaços e estamos aqui justamente para mostrar que somos capazes de ocupar esses espaços. Tem as dificuldades, sim, a gente tem um pouco mais de dificuldade de ser ouvida, das pessoas acreditarem no que a gente está falando, de darem um espaço e a escuta de direito, mas a gente vai driblando isso com o tempo. A sociedade está amadurecendo todos esses pontos de machismo, ou de não dar o espaço. A gente está muito aberto a isso”. 

Ela também chamou a atenção para alguns programas de empresas com foco na diversidade. “Admiro muito isso. É muito importante para o amadurecimento geral da cultura e da nossa sociedade brasileira. Então eu me sinto honrada de ocupar esse espaço e ser espelho para que outras mulheres sigam o mesmo caminho”.

Conheça um pouco mais da startup no vídeo abaixo!

Mentoria 

Robert Dannenberg, fundador da Pets Booking/SA, que é também investidor-anjo, já passou pelo setor de eventos e também pelo mercado financeiro, vai ajudar os responsáveis pela Lilu a repensarem sua metodologia de trabalho. De início, percebeu um problema de escalabilidade da empresa. “Tem coisas que o dinheiro resolve, mas tem muito mais coisas que a criatividade pode resolver. O treinamento é o que vai fazer a sua empresa crescer ainda mais”.

Assim, falou da importância de olhar com um pouco mais de atenção para os “experts”, nome dado aos consultores da Lilu, de forma a gerarem ainda mais resultados. “Você tem uma necessidade de criar uma rede de “experts”, motivá-los a trazer outros experts dando algum prêmio, qualificação, um selo de qualidade, de certificação e traz outro profissional, e assim você vai formando a sua cadeia de suprimento. Isso é relativamente barato e te ajuda a ganhar escala em termos de atendimento”. 

Ele também chamou a atenção para a testagem deste modelo, essencial para encontrar a chave do sucesso. “Acho que tem várias iniciativas de escalabilidade, mas todas elas passam sempre por você. Testa o modelo, errou, volta para dentro de casa, estuda, tenta outro caminho e assim vai. Não tem uma fórmula de bolo para isso”. 

Robert também apontou a relevância de automatizar as rotinas. “As planilhas são capazes de fazer muitas coisas automaticamente, mas pouca gente sabe usar. A maioria das pessoas usa 5% de uma planilha Excel. Então invista na educação de quem está pilotando a planilha Excel para aprender a fazer dashboards. A gente sofistica muito certas coisas que deveriam ser simples por natureza”.

Confira abaixo o vídeo com a mentoria completa!

Aline ainda reforçou a oportunidade de participar do programa, caracterizado por ela como um sonho. “Poder estar aqui, dividir com vocês o que a gente já construiu, entender como a gente pode melhorar e ter todo esse acolhimento que vocês fazem para as startups que estão no elenco de vocês é sem sombra de dúvida, uma excelente oportunidade e eu me sinto grata só de estar aqui, podendo falar com vocês. Então sim, sem sombra de dúvida, será um grande sonho participar deste programa”, completou.

Será que a Lilu vai conseguir o tão sonhado investimento de João Kepler? Confira o vídeo abaixo!