Ir para o conteudo

Como os dados podem tornar a gestão do CIO mais humana

* Por Rogério Borili Pereira

Razão e sensibilidade são dois lados aparentemente opostos, explorados desde sempre e ainda mais famosos desde que Jane Austen abordou o tema em seu romance. Essa dualidade também parece existir quando falamos de dados e aspectos humanos da gestão de TI.

Nada mais equivocado quando você observa as muitas possibilidades de utilizar os dados para analisar os colaboradores, oferecer feedback, reconhecer talentos e obter os melhores resultados de desempenho que cada um pode oferecer.

Tudo que até agora era absurdamente acelerado pelas novas tecnologias tornou-se ainda mais urgente diante dos desafios impostos pela pandemia. A transformação digital, que avançava lentamente em alguns setores, agora ganha um novo ritmo, impulsionado pelas demandas imediatas dos clientes. O impacto desse contexto para os líderes de TI e seus times intensifica ainda mais as expectativas sobre a gestão dos CIOs

O Gartner aponta nove tendências para o futuro do trabalho, sendo que algumas representam a aceleração das mudanças existentes e outras novos impactos não discutidos anteriormente. Entre essas tendências quero destacar a que aponta para a expansão da coleta de dados na análise de colaboradores:

– A pesquisa mostra que 16% dos empregadores estão usando tecnologias com mais frequência para monitorar seus funcionários. Enquanto algumas empresas monitoram a produtividade, outras monitoram o envolvimento e o bem-estar para entender melhor sua experiência.

– Mesmo antes da pandemia, as organizações estavam cada vez mais usando ferramentas não tradicionais de monitoramento de funcionários, mas essa tendência será acelerada com o monitoramento de trabalhadores remotos, coleta de dados de saúde e segurança dos funcionários. 

“É fundamental que os líderes entendam que as mudanças em grande escala estão transformando a forma como as pessoas trabalham e como os negócios são realizados. Os líderes de RH que respondem de forma eficaz podem garantir que suas organizações se destaquem dos concorrentes”, disse Brian Kropp, Vice Presidente da Gartner. 

Observar o todo com uma visão abrangente é atitude mais que necessária quando pensamos em tecnologia, times e liderança de TI.  O cenário se movimenta de forma exponencial, novas tecnologias pressionam os avanços o tempo todo e os profissionais de TI se veem exatamente no olho do furacão. Nesse contexto, gostaria de ressaltar três aspectos que impactam atualmente a gestão de TI:

1) A crescente tendência de humanização das marcas requer times tratados com mais atenção e cuidado, de forma que todos se mobilizem para atender a expectativa dos consumidores por marcas e interações humanizadas. Embora essa trend se aplique a todos os profissionais, ela afeta os times de TI, que são as pessoas envolvidas com desenvolvimento de sites e plataformas de e-commerce, digitalização de processos, captação e análises de dados, apoio ao time de User Experience e tantas outras atividades vinculadas à tecnologia que no fim das contas afetam as interações  dos clientes com as marcas. 

“Nossa esperança: colocar o ser humano no centro de nossa exploração de tendências e poder ajudar as marcas a traçar seu próprio caminho para causar um impacto importante” – Deloitte –  2020 Global Marketing Trends.

2) Vivemos em um mundo hiperconectado e hiperdigitalizado, onde a explosão informacional define novos comportamentos e modos de consumo, pressionando as marcas por mais e mais experiências positivas na interação digital.   Ao mesmo tempo, cada rastro digital amplia o volume de dados e a necessidade de compilar, entender e traduzir as informações coletadas em iniciativas que proporcionem o crescimento dos negócios. Na intersecção de todos os processos temos os profissionais de TI. 

“Os dados são gerados constantemente em cliques em anúncios, reações em mídias sociais, compartilhamentos, viagens, transações, conteúdo de streaming e muito mais. Quando examinados, esses dados podem nos ajudar a entender melhor um mundo que está se movendo em velocidade crescente” – Data Never Sleeps 8.0.

3) Entre tantos impactos dessa aceleração tecnológica a procura por profissionais de tecnologia só cresce, enquanto a oferta de talentos não se amplia na mesma velocidade. Ou seja, a escassez de talentos pode limitar o crescimento dos negócios que dependem cada vez mais de profissionais qualificados e motivados nos seus times de TI.

“Para atingir a meta de dobrar o setor de Software e Serviços em 6 anos, 70 mil profissionais serão demandados ao ano até 2024. Estes números despertam para a necessidade de formação de mão de obra qualificada no curto prazo. Hoje o Brasil forma 46 mil pessoas com perfil tecnológico por ano, com relativo descasamento geográfico entre oferta e demanda de mão de obra” – Relatório Brasscom – Formação Educacional e Empregabilidade em TIC.

Diante desse contexto, o aspecto humano das relações de trabalho merece um olhar mais atento, para que a pressão por resultados não resulte em novas dificuldades para o time e as lideranças. Mas nós, que vivemos no universo tecnológico, podemos aproveitar ao máximo o uso de dados, tanto para analisar cada colaborador dentro da área de TI, como para apoiar a tomada de decisões em outras áreas. Entender os fatores de desempenho é essencial para melhorar resultados dentro do setor, de forma que os colaboradores possam contribuir para captar mais clientes e melhorar a experiência no uso do produto ou serviço. 

Afinal, voltando às três observações anteriores, os dados são a bússola para medir a satisfação do time para que suas emoções positivas se reflitam em todas as atividades que envolvem o relacionamento de clientes com a marca.  Os profissionais de tecnologia são os mineradores essenciais para descobrir, compilar e analisar a crescente quantidade de dados, o que pode definir o sucesso dos negócios. 

Talvez você ache que tudo isso representa um desafio assustador. Apenas comece a movimentar esse círculo virtuoso. Olhe para os dados pensando em pessoas. Conheça melhor as suas pessoas olhando os dados e por fim você verá que tudo se trata de ter um cuidado mais humano com o seu time, para que todos se sintam incentivados e crescer e permanecer, contribuindo para o negócio ao estabelecer relações mais humanas dos clientes com as marcas. 

* Rogério Borili Pereira é vice-presidente de Tecnologia e Sustentação da Becomex Consulting. Atua na implementação de processos fiscais eficientes em grandes organizações visando compliance e ganhos tributários.

Convidado Especial
Quer ter o seu conteúdo publicado no Startupi? Fale com a gente pelo contato@startupi.com.br.

Matérias Relacionadas