A 99Food, plataforma de intermediação de entregas, completa mais uma etapa do seu projeto de expansão com a chegada do aplicativo em Curitiba. A capital paranaense foi escolhida após três meses da estreia da empresa no Brasil e após a consolidação da operação inicial em Belo Horizonte, Minas Gerais.

“O objetivo da 99Food é compreender e refletir as demandas locais com eficiência. O cenário gastronômico de Curitiba difere bastante de Minas Gerais, são influências e públicos variados, mas igualmente diversificado, que permitirão aprimorar o trabalho da nossa equipe, oferecendo a possibilidade de solicitar a entrega de opções acessíveis e variadas para todos nossos clientes, refletindo os gostos e preferências culinárias dos curitibanos”, destaca Danilo Mansano, diretor-geral da 99Food.

A 99Food é uma empresa que integra a 99/DiDi, empresa de tecnologia voltada para a mobilidade urbana e presente em Curitiba desde 2017. Entre 2019 e 2018, a empresa dobrou o total de corridas realizadas na capital paranaense, colocando Curitiba como a 5ª cidade do país que mais tem corridas pela plataforma. Esta parceria de longo prazo com a cidade e seus moradores é um dos motivos pelos quais a 99Food inicia as operações no município neste momento.

A 99Food também conta com o profundo conhecimento da DiDi na construção de serviços de alta qualidade e eficiência do Leste Asiático à América Latina. Na China, primeiro país onde o serviço de intermediação de entregas foi lançado, mais de 1 bilhão de entregas são feitas todos os meses no setor. A 99Food oferece a opção dos consumidores fazerem o pedido através da mesma plataforma onde já são solicitadas as corridas (disponível para usuários dos sistemas Android e iOS). Mais informações estão disponíveis no link.

O serviço ofertado tem muito potencial de crescimento no país, com um público que ainda usa pouco as comodidades de solicitar a entrega via aplicativo e receber em casa as principais refeições, sendo visto ainda como um serviço para momentos especiais e não para as necessidades do dia a dia. “Na China são realizados cerca de R$ 45 milhões de pedidos por dia, enquanto no Brasil, o mercado gera cerca de R$ 20 mil por mês”, exemplifica Mansano.