“A maior dor do vento é não ser colorido”, escreveu o poeta Mário Quintana. Se depender da identidade visual e cultural da aceleradora Pipa, o ecossistema de startups no Brasil acaba de adotar toda uma paleta que combina tons da moda e de vanguarda. Geeks de vários perfis vem conseguindo provar por meio de resultados que é possível fazer negócios e melhorar o mundo de forma acelerada.

Há bastante tempo ouço histórias sobre as empresas que fundaram a aceleradora Pipa em uma casa em São Conrado, no Rio de Janeiro: a Cria (de estratégias de valor compartilhado), a Tátil (de design e branding) e a Engage (de tecnologia e engajamento). A história mais recente, e talvez a mais significativa, foi o anúncio de que a Pipa é uma das 9 aceleradoras brasileiras credenciadas do programa Start-Up Brasil, promovido pelo MCTI . Veja nossas matérias relacionadas e veja também a página especial em inglês que a Pipa criou em inglês para se posicionar para os emprendedores estrangeiros que quiserem participar do Start-Up Brasil.

Entre as aceleradoras brasileiras, a Pipa é a que mais claramente tem uma ideologia. “Adotamos o modelo das aceleradoras de tecnologia, que tomam participação nas startups, investem e ajudam, mas também temos o foco em apoiar negócios que tenham impacto positivo no lado ambiental e social, além do financeiro”, posiciona o indiano Dhaval Chadha, radicado há anos no Brasil e um dos co-fundadores da Cria (e da Pipa). No meio empreendedor, tanto brasileiro quanto internacional, não é comum que as iniciativas com perfil social usem o modelo das aceleradoras do mundo digital.

É na diversidade de habilidades de sua equipe e seus conselheiros (aconselho darem uma olhada no site) que a Pipa torna-se especial. Armados com metodologias do bem e de negócios, incluindo a experiência de diversos integrantes na Singularity University e em grandes empresas de tecnologia, os caras da Pipa vão se enturmando com talentos de diversas nacionalidades, culturas e habilidades. Eles também promovem uma série de oficinas para quem não é empreendedor acelerado por eles.

Quatro startups já são aceleradas pela Pipa: a rede social empresarial com sistema de gestão Simbio, o sistema de gestão para instituições de ensino WPensar, a plataforma de microtarefas para interação entre pessoas e empresas Nanopop e o assistente de viagens  Nativoo. Duas destas startups já conquistaram investimento de outras fontes após iniciarem aceleração.

Conheça um pouco mais sobre elas nas apresentações abaixo – vejam não apenas as soluções, mas também os times e conselheiros.