* Por Alexandre Nogueira

Live commerce tem ganhado espaço no mundo todo e é visto como a grande promessa para os negócios digitais nos próximos anos. A China, precursora do live commerce, fez mais de 10 milhões de transmissões ao vivo, que tiveram 50 bilhões de visualizações e resultaram na venda de 20 milhões de produtos em 2020. A média foi de 55 mil sessões de streaming e 110 mil itens comercializados por dia, segundo o Ministério do Comércio da China. Em pesquisa da Consumers New Shopping Experience, 70% dos brasileiros conectados já compraram algo que viram em um vídeo no YouTube.

Esse novo formato de vendas online une transmissão em vídeo ao vivo, interatividade e e-commerce dentro de um mesmo ambiente. No Brasil, diversas marcas apostaram nesse formato de vendas, entre elas, Riachuelo, Arezzo, Dengo, Chilli Beans, entre outras. A Casas Bahia, por exemplo, realizou sua primeira live commerce via app, com divulgações de produtos ao vivo e finalização da compra pelo whatsapp, integrando seus canais de vendas. A Lojas Americanas também apostou em live commerces semanais para os lojistas do marketplace e já vendeu dez vezes mais com as suas primeiras transmissões.

No Live Commerce existe uma comunicação entre o apresentador e os usuários, com interações e notificações em tempo real, como alguém que acabou de comprar, um espectador que enviou likes, entre outras ações. Com o Live Commerce o lojista consegue apresentar e vender produtos em um único ambiente totalmente gamificado. O Brasil ainda está avançando nessa modalidade, já que, diferente da China que concentra tudo em uma única plataforma, aqui ainda temos que usar mais de um recurso, a plataforma de transmissão ao vivo é um canal, mas ainda precisamos realizar a conclusão da compra em outro local, geralmente no app da empresa.

Separei algumas dicas para ajudar lojistas que gostariam de embarcar nessa tendência para turbinar suas vendas pela internet. Confira:

Defina a finalidade e prepare a live

Live commerce pode colaborar para o reconhecimento de marca, lançamento de produto ou vendas gerais. Para que essa ação tenha sucesso, é preciso organizar passos importantes antes mesmo da venda, como ter um roteiro, cenário, equipe de gravação e de backstage, apresentador, e contar com infraestrutura que permita a transmissão, as vendas e a interação com os consumidores.

“Na live de vendas, o segredo é despertar no consumidor uma necessidade de compra que muitas vezes ele nem sabia que tinha. Uma dica é usar o live commerce para mostrar o produto na prática, suas formas de uso e diferenciais, além de falar sobre seus benefícios e o problema que ele resolve”, comenta Nogueira.

Integre seus canais

Na China, as lives acontecem integralmente dentro de uma única plataforma, que tem todos os recursos: vídeo, interação e compra. No Brasil, são poucas as ferramentas disponíveis, mas esse mercado tende a crescer. Uma dica é começar pelo básico e transmitir os vídeos no Instagram, no Facebook e no YouTube. Só é preciso instruir os consumidores para finalizar a compra no e-commerce ou no app. Também é possível usar um QR Code, para facilitar o acesso aos produtos.

Fique de olho na sua audiência

Seja dentro de um aplicativo, do Facebook ou do Instagram, o vendedor precisará de pessoas para assistir à venda. Nesta modalidade é possível usar o capital humano, o apresentador, para engajar sua audiência. Ele pode contar histórias, ser engraçado ao mostrar o produto – diferente do e-commerce tradicional, que segue um padrão estático, sem interações. Além disso, utilizar gatilhos emocionais, seja de motivação, escassez, datas comemorativas, entre outras ações, certamente contribuirá para mais pessoas assistirem à Live.


* Alexandre Nogueira é CEO da Universidade Marketplaces, consultor oficial do Mercado Livre e influenciador das Lojas Americanas no Brasil.