* Por Eduardo Tardelli 

Além das diversas dificuldades econômico-financeiras que as organizações público e privadas em todo o mundo tiveram que enfrentar em 2020, o ano exigiu também um posicionamento mais forte e diversas mudanças nos programas de compliance. Afinal, o número de fraudes, atos corruptos, golpes financeiros e virtuais aumentou consideravelmente desde o início a pandemia, infelizmente. 

Cresceu, por exemplo, em 80% o número de tentativas de golpes em instituições bancárias, segundo uma pesquisa feita pela Federação Brasileira de Bancos (Febrapan). Ocorreram desvios também na Secretaria da Saúde na compra de testes de covid-19, afetando os R$ 1,48 bilhão destinados ao combate da doença. Houve ainda um aumento de 60% nos crimes cibernéticos no primeiro semestre, de acordo com levantamento realizado pela empresa de software Check Point. 

Mas, afinal, como evitar isso em 2021? Para combater e prevenir esses e outros movimentos fraudulentos, oferecendo maior segurança aos colaboradores, clientes e cidadãos; instituições públicas e privadas precisaram investir em novas práticas de prevenção e compliance, além de fortalecer ou reestruturar o programa como um todo. 

E a tecnologia tem um papel fundamental nesta questão, pois, por meio dela, foi e é possível otimizar processos remotos, a exemplo da gestão de fornecedores, auditorias, investigações e treinamentos para colaboradores. As soluções de mineração de dados, por exemplo, são capazes de fornecer informações valiosas para que departamentos de gestão de riscos, RH e compliance tomem decisões mais assertivas, evitando possíveis erros e riscos em contratações ou fechamento de contratos com fornecedores, cenário que se tornou ainda mais preocupante nesse ano.

O futuro é agora e, com isso em mente, é necessário focar cada vez mais em programas de compliance aliado às novas tecnologias e a práticas investigativas a fim de trazer mais segurança e transparência dentro do ambiente organizacional. Afinal, evitar maiores prejuízos financeiros, econômicos e reputacionais é o que todo mercado necessita.

Em paralelo, processos como background check, auditorias, diligência de terceiros e treinamentos online constantes devem continuar sendo prioridade dos gestores e empreendedores nos planejamentos no que tange à transparência e o combate à corrupção, principalmente com a cultura do home office cada vez mais em voga. Neste contexto, é imprescindível que os cuidados (e treinamentos) sejam estendidos e repassados ao time, explicando que, com ou sem intenção, os vazamentos podem partir deles.  

Em resumo, ressalto que, mais do que nunca, 2021 traz a necessidade de consolidar as boas práticas em todos os setores e isso só é possível ao tornar realidade processos de compliance com a tecnologia como principal parceira. Esse é o melhor caminho e um investimento inteligente – em 2021 e sempre!


Eduardo Tardelli é CEO da upLexis, empresa de software que desenvolve soluções de busca e estruturação de informações extraídas de grandes volumes de dados (Big Data) extraídos da internet e outras bases de conhecimento.