A FreteBras, plataforma online de transporte de cargas que usa tecnologia para conectar transportadoras e caminhoneiros, anunciou o recebimento de US$ 17 milhões, o que equivale a R$ 95 milhões, em investimento do BID Invest, membro do Grupo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), através do Fundo de Tecnologia Limpa (CTF). Os recursos serão utilizados no desenvolvimento de melhorias importantes na plataforma, principalmente voltadas para segurança das transportadoras e dos caminhoneiros, acelerando o crescimento do negócio.

No primeiro semestre deste ano, a FreteBras alcançou a marca de 2 milhões de fretes publicados em seu aplicativo, número 50% maior em relação ao registrado no mesmo período de 2019, totalizando a quantia de aproximadamente R$ 20 bilhões em fretes distribuídos aos caminhoneiros no semestre. A empresa possui mais de 10,5 mil transportadoras que assinam seu serviço para encontrar motoristas e o aplicativo para caminhoneiros atingiu a marca de 1,4 milhão de instalações.

“Alcançamos resultados bem expressivos nos últimos meses, apesar do cenário desfavorável da pandemia. Esse aporte nos dá ainda mais ânimo para continuarmos crescendo. Vamos aumentar nosso time para acelerar a entrega de melhorias na experiência do usuário, além de desenvolver ferramentas voltadas para ampliar a segurança da nossa plataforma, tanto para transportadoras, quanto para caminhoneiros. Segurança e conveniência são elementos importantes para nossos usuários e vamos sempre trabalhar para entregar o melhor nesse sentido. As perspectivas são excelentes”, afirma Bruno Hacad, diretor de Operações da FreteBras.

O investimento também será importante para o desenvolvimento social e ambiental do setor no Brasil. Com a tecnologia utilizada pela FreteBras, junto com o nome e a experiência do BID Invest, a expectativa é diminuir o tempo ocioso dos caminhões de maneira significativa, contribuindo para o aumento de renda do caminhoneiro e a diminuição dos impactos ambientais de um setor considerado essencial para o Brasil.

O aporte de capital foi realizado através do Fundo de Tecnologia Limpa (CTF), gerido pelo BID Invest, e contribuirá para o desenvolvimento de uma metodologia de controle de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE). Essa metodologia será alavancada através da tecnologia que a FreteBras possui para reduzir a capacidade ociosa de caminhões e ajudará a companhia a medir e reduzir seu impacto ambiental.

“Estamos contentes em nos juntarmos à FreteBras e vemos que o modelo de negócios da empresa baseado em tecnologia e dados tem grande potencial para otimizar o mercado de transporte rodoviário de cargas no Brasil. Estamos bastante animados com o potencial de redução de CO2 que a empresa promove através do aumento de eficiência dos caminhões, reduzindo o impacto ambiental do setor”, afirma James Scriven, CEO do BID Invest.

Uma longa caminhada no processo de digitalização do transporte de cargas

A jornada da FreteBras em direção à digitalização do setor começou a ser trilhada em 2006. Fundada em Catalão, Goiás, a presença na cidade é estrategicamente importante porque o município é o principal polo do Sudeste Goiano, com localização geográfica privilegiada, perto de grandes centros como Brasília, Goiânia e Triângulo Mineiro. Além disso, a FreteBras possui filial em São Paulo, contando hoje com quase 100 funcionários no total.

Com o crescimento exponencial das mídias sociais e a popularização dos smartphones, a empresa iniciou há 15 anos o processo de consolidação da marca e a difusão dos serviços. O site foi lançado em 2008 e em 2013 a empresa lançou o primeiro aplicativo do segmento, permitindo que os caminhoneiros pudessem visualizar todos os fretes publicados pelas transportadoras, já filtrados pelo seu tipo de veículo e carroceria, na tela do celular.

“A FreteBras nasceu para permitir ao caminhoneiro dirigir menos tempo vazio, aumentar sua renda no final do mês e passar mais tempo em casa com sua família. Temos fretes sendo publicados no Brasil inteiro, com cobertura de mais de 95% das cidades brasileiras”, explica Luiz Gustavo Felício, cofundador e diretor de Tecnologia da FreteBras.

Para garantir a segurança dos usuários, as empresas que publicam fretes são obrigadas a informar CNPJ, email, telefone e endereço e passam por um processo rigoroso de validação, o que torna as publicações mais qualificadas e seguras. Já os caminhoneiros que utilizam o aplicativo precisam realizar um cadastro, informando número do celular, placa, código do RNTRC (registro emitido pela ANTT), tipo do veículo e carroceria. Além disso, a FreteBras disponibiliza uma área de ouvidoria focada em receber e tratar solicitações e casos reportados por usuários. Empresas e motoristas que não cumprem as políticas de segurança são excluídos.