A Pfizer e a startup alemã BioNTech anunciaram nesta quarta-feira resultados positivos de testes iniciais feitos em humanos da vacina contra a covid-19, que está sendo desenvolvida em parceria pelas duas empresas. A parte inicial do estudo incluiu 45 adultos saudáveis, com idades entre 18 e 55 anos.

O programa está avaliando pelo menos quatro vacinas experimentais. O manuscrito que detalha os dados clínicos preliminares da BNT162b1, como está sendo chamada a imunização teste, está passando por uma revisão científica para uma possível publicação.

“Somos encorajados pelos dados clínicos do BNT162b1 e para os quais temos resultados positivos preliminares e importantes”, disse Kathrin U. Jansen, Ph.D., vice-presidente sênior e chefe de Pesquisa e Desenvolvimento de Vacinas, Pfizer. “Dedicamo-nos a desenvolver vacinas e medicamentos potencialmente inovadores e, diante dessa crise global da saúde, abordamos esse objetivo com a máxima urgência. Esperamos publicar nossos dados clínicos em uma revista revisada por pares o mais rápido possível”.

“Esses dados preliminares são encorajadores, mostrando que o BNT162b1, que explora o RBD SARS-CoV-2 como antígeno alvo, é capaz de produzir respostas de anticorpos neutralizantes em humanos a níveis iguais ou superiores aos observados nos soros convalescentes – e o faz em doses relativamente baixas. Esperamos ansiosamente fornecer mais atualizações de dados sobre o BNT162b1”, diz Ugur Sahin, MD, CEO e cofundador da BioNTech.

Esses dados preliminares, juntamente com os dados clínicos e pré-clínicos adicionais que estão sendo gerados, serão usados ​​pelas duas empresas para determinar um nível de dose e selecionar entre vários candidatos a vacina para procurar avançar para um grande estudo global de segurança e eficácia. Esse julgamento pode envolver até 30 mil participantes saudáveis ​​e está previsto para começar no final de julho de 2020, caso receba a aprovação regulamentar.

A vacina permanece em estudo clínico e atualmente, não está aprovada para distribuição em nenhum lugar do mundo. Se os estudos em andamento forem bem-sucedidos e o candidato a vacina receber aprovação regulatória, as empresas esperam fabricar até 100 milhões de doses até o final de 2020 e, potencialmente, mais de 1,2 bilhão de doses até o final de 2021.