Governo de São Paulo realizou ao longo desta quinta-feira, um teste na estação Sé do Metrô para a adoção de um sistema inteligente que afere a temperatura corporal dos passageiros que passam pelas catracas de entrada do local e verificam se eles estão usando máscaras faciais. 

Foi colocada uma câmera de frente a linha de bloqueio da estação, com capacidade para medir a temperatura e checar o uso de máscara de até 2 mil pessoas por minuto. 

Quando uma pessoa com temperatura acima de 37,5 graus passa pela catraca, um alerta é emitido e um funcionário do Metrô poderá encaminhar o passageiro para um posto de saúde. Em caso de verificação do não uso da máscara facial de proteção, o funcionário esclarece que é obrigatório o uso no sistema de transporte de São Paulo. 

O Metrô planeja a utilização desse tipo de inovação em outras estações da rede e, para isso, abriu um chamamento público para que as empresas apresentem suas tecnologias e propostas de implantação. 

Esse seria mais um item para ampliar a segurança do passageiro no Metrô, prevenindo da contaminação pelo vírus da covid-19. Desde o início da pandemia, a Companhia intensificou a limpeza dos trens – que passaram ser limpos também ao final de cada viagem – e estações, distribuiu quase 1 milhão de máscaras aos passageiros, forneceu os insumos de precaução aos funcionários e instalou cabines neutralizadoras nas estações Itaquera, Paraíso, Sé, Ana Rosa, Sacomã, Tamanduateí, Chácara Klabin, Vila Prudente e Alto do Ipiranga, que borrifam uma solução que ajuda a eliminar a presença do vírus nas superfícies das pessoas (roupas, cabelo, pele).