A Apple lançou hoje uma ferramenta com dados sobre as tendências de circulação coletadas pelo app Mapas da empresa. Ela vai apoiar o importante esforço global de combate à covid-19.

Os dados de movimentação podem ser úteis para governos e autoridades de saúde na proteção de populações de alto risco, além de servir de base para novas políticas públicas ao indicar a variação no número de pessoas dirigindo, caminhando ou usando o transporte público nas comunidades.

O Mapas não associa dados de mobilidade ao Apple ID de um usuário, e a Apple não mantém um histórico de onde o usuário esteve. O novo site com os dados de circulação usa informações agregadas reunidas de forma anônima durante o uso do app Mapas da Apple para apresentar tendências de movimentação em cidades grandes e 63 países ou regiões. Elas são geradas contando o número de buscas por endereços feitas no app.

Os conjuntos de dados então são comparados para mostrar alterações na quantidade de pessoas dirigindo, andando ou usando transporte público ao redor do mundo. A disponibilidade de dados sobre uma cidade, país ou região específica depende de vários fatores, incluindo um número mínimo de pesquisas feitas diariamente.

A marca ressalta que está comprometida em manter as informações pessoais seguras e tem a privacidade integrada no Mapas. Para usar o app, não é preciso iniciar sessão e ele não armazena onde os usuários estiveram. Os dados coletados, como termos de busca, itinerários e informações de trânsito, ficam associados a identificadores aleatórios, continuamente redefinidos.

Isso permite oferecer uma experiência sem comprometer a privacidade do usuário. Quando ele faz uma busca, o Mapas tem recursos para ocultar sua localização nos servidores da Apple usando um processo com dados aleatórios chamado “fuzzing”. E, depois de 24 horas, o app converte a localização precisa de onde a pesquisa foi feita para uma menos exata.

Outras iniciativas contra a covid-19

A Apple está dedicada a apoiar a resposta mundial à covid-19. Ela já coletou e doou mais de 20 milhões de máscaras para profissionais médicos atuando nas linhas de frente ao redor do mundo. A empresa também formou equipes internas e em seus fornecedores para desenvolver e produzir escudos faciais.

Também está enviando 1 milhão de máscaras por semana às áreas que mais precisam. Para atender a polícia, bombeiros e paramédicos, a Apple ajudou a Stanford Medicine a criar um novo app que auxilia os serviços de emergência a avaliarem os sintomas e agendar um horário para teste, se necessário.

Atualizações recentes nos apps e serviços da Apple ajudam os clientes a encontrarem a informação que precisam com rapidez e facilidade usando a Siri e o Mapas. Atualizações em áudio sobre a covid-19 fornecidas pela Siri permitem levar aos usuários as últimas notícias sobre a pandemia através de podcasts curtos publicados por veículos confiáveis.

As pessoas com suspeitas de ter covid-19 também podem receber da Siri as orientações dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos. No Mapas, supermercados, serviços de entrega de comida e órgãos médicos ganham prioridade ao fazer buscas nas proximidades. Na App Store, os usuários agora encontram uma coleção de apps de telessaúde.

A empresa também está oferecendo aos pais, professores e profissionais de TI conteúdo e serviços para apoiar a transição para os ambientes virtuais de aprendizagem, incluindo treinamentos personalizados e uma variedade de materiais online.

Além disso, foi lançada uma ferramenta de triagem e um conjunto de conteúdos para manter as pessoas informadas e prontas para se proteger durante a pandemia de covid-19. Para acelerar o rastreamento de contato, a empresa lançou recentemente um trabalho conjunto com o Google cujo objetivo é utilizar a tecnologia Bluetooth para ajudar governos e agências de saúde a frear o avanço do vírus, tendo a privacidade e segurança do usuário como pontos centrais.

Para saber mais sobre as tendências de circulação durante a pandemia de covid-19, acesse o site.