Fundada há dois anos e meio, a Pin People criou uma metodologia inovadora para resolver problemas como a contratação de pessoas que não se encaixam no perfil da empresa e a perda de talentos. A plataforma online consiste em um sistema baseado em inteligência artificial que analisa e cruza dados das próprias empresas para auxiliá-las a tomarem as melhores decisões quando se trata de contratação, retenção e outros processos de gestão de pessoas. Tais informações são colhidas através de dois questionários simples, um preenchido pelo candidato e outro pela empresa.

Eles não têm a intenção de fazer uma análise de perfil do candidato, a startup pretende apenas conhecer e registrar uma “fotografia” do seu perfil. Diferente de outras plataformas, eles enviam um questionário também para a empresa, para saber como ela é no dia-a-dia, mas quem irá dizer isso não é o RH, são os próprios colaboradores da companhia, assim a startup consegue obter um panorama de quais são os principais valores, o que eles não encontram lá, o que incomoda e como é o dia-a-dia dentro da empresa, permitindo uma visualização em tempo real de indicadores de clima organizacional e possíveis tendências de comportamento. A partir desses dois questionários, a startup possui uma ferramenta, que é um algoritmo estatístico que cruza essas informações e entrega uma nota, que mede o grau de compatibilidade entre empresa e candidato.

Exemplo: Uma grande empresa está com o processo seletivo aberto e resolve divulgar em vários lugares, então aparecerão muitos interessados. Como ela procede? Ao divulgar a vaga, ela informa que como parte do processo seletivo é necessário responder o questionário da Pin People. Do outro lado, a área que irá contratar já respondeu o questionário, portanto o gestor dessa área pode acompanhar em tempo real o grau de compatibilidade dos candidatos. A partir dai, ele pode escolher quais candidatos irá priorizar para chamar para uma entrevista.  “Se antes ele entrevistava 50 candidatos para uma vaga, hoje ele consegue entrevistar 10 e ter a mesma assertividade que tinha antes. Otimizamos o trabalho dele, reduzindo o tempo de entrevista”, conta Verônica Mussi, Cofundadora da Pin People.

Ambas as sócias, Isabella Botelho e Verônica Mussi, trabalharam na Endeavor, organização sem fins lucrativos para empreendedores, diretamente com pequenas e médias empresas, ajudando em todos os desafios, inclusive na gestão de pessoas. Quando saíram da Endeavor, estavam decididas a começar um negócio em RH, trazendo tecnologia para essa área que é mais tradicional e tão estratégica dentro da empresa. Quando começaram a sondar em que parte iriam atuar, perceberam que havia uma necessidade muito clara: “Como eu sei quando estou entrevistando uma pessoa que dará certo dentro da minha empresa?”, “O que me diz que ela combina com a área e com a empresa?”. Não existia nenhuma ferramenta que sinalizasse isso de uma forma simples e rápida, por isso decidiram atuar nessa área. Frederico Lacerda, Sócio fundador da 21212 , primeira aceleradora de negócios digitais no Brasil, também é um dos cofundadores da Pin People.

Da esquerda para direita: Verônica Mussi, Frederico Lacerda e Isabella Botelho. Foto: Divulgação Pin People

Da esquerda para direita: Verônica Mussi, Frederico Lacerda e Isabella Botelho. Foto: Divulgação Pin People

“A Pin People trouxe tecnologia para o RH, ela consegue dizer quanto um candidato combina com a empresa e com a área em que ele irá atuar”, afirma Verônica. A plataforma pode ser utilizada tanto por uma grande empresa quanto por uma startup ou pequenas e médias empresas. Hoje a plataforma conta com mais de 25 empresas utilizando o serviço, 16 mil candidatos em sua base e 100 já foram contratados.

A Pin People acaba de receber  R$600 mil de investimento, depois de dois anos de operação. Verônica conta que queriam captar investimento quando já tivessem validado uma série de fatores para não queimar o dinheiro do investidor com etapas muito básicas. “Quando enxergamos que o produto estava pronto, já tínhamos rodado com empresas, estava funcionando e já tínhamos contratações, percebemos que estava na hora, pois o objetivo passou a ser atrair mais gente para a plataforma, escalar e investir na melhoria do produto, foi aí que resolvemos captar investimento”, detalha a empreendedora.

Verônica conta que escolheram esse modelo de investimento pela ajuda/mentoria oferecida pelos investidores além do dinheiro. “Acreditamos demais no modelo de mentoria, de aprender com quem sabe mais, por isso queríamos trazer alguém que fosse peça chave e que realmente ajudasse nosso negócio a dar um salto”.

Em entrevista ao Startupi, Verônica contou que elas escolheram a dedo as pessoas que iriam investir no negócio e montaram um conselho com essas pessoas um ano antes de pedir o investimento. Queriam ver se os investidores iriam realmente contribuir com o negócio, se fazia sentido, se eram bons investidores e se acompanhavam de perto o negócio.

Ao todo são três investidores que fizeram a rodada. O primeiro é empreendedor e da área financeira, o segundo é um grande executivo, que foi Diretor de RH de uma multinacional durante 20 anos e o terceiro, com conhecimento em internet. “Acreditamos que esse trio irá nos ajudar a construir conhecimento para darmos um salto”, comenta Verônica.

Sobre outras plataformas e aplicativos voltados para o recrutamento de pessoas, Verônica afirma que todos tem uma forma de inovar o RH, mas o diferencial da Pin People é o uso de inteligência artificial e o apelo cultural que proporciona uma experiência totalmente diferente das outras.

A partir de agora, os empreendedores estão aprimorando uma linha de people analytics. Como a startup tem muita informação de candidatos e de muitas empresas, ela consegue extrair mais informações do que apenas o Match. A Pin People consegue criar um termômetro sobre como a cultura da empresa e seus funcionários estão no dia-a-dia e a partir daí, a empresa passa a ter acesso a um dashboard de talent management que está sendo desenvolvido e testado com algumas empresas.