A participação do engenheiro de software Marco Aurélio em uma competição de programação no final de 2011 redeu a ele um convite interessante. Guillermo Rauch, diretor de tecnologia da norte-americana Cloudup, entrou em contato com o brasileiro e fez a proposta: “Estamos construindo uma nova geração de compartilhamento de arquivos em tempo real, quer se juntar a nós?” Marco aceitou o convite e disse que a startup foi “superflexível” com os horários, já que ele ainda estava estudando.

O brasileiro é um dos quatro desenvolvedores que a companhia baseada em San Francisco (Califórnia) espalhou por Estados Unidos, Brasil, Argentina e Canadá. “Eles estão atentos ao grande potencial humano ainda não aproveitado por aqui, particularmente para o desenvolvimento de software”, contou Marco, com quem conversei. Segundo ele, essa atenção com os mercados emergentes vem da origem dos dois fundadores: Thianh Lu (o CEO) é filho de imigrantes do Vietnam e Guillermo (CTO), argentino.

Essa possibilidade do trabalho remoto –Marco fica baseado em Belo Horizonte—está muito ligada ao produto principal da companhia, que criou uma ferramenta para compartilhar vídeos, fotos, músicas, links, arquivos e documentos. “Nós vivemos numa época em que é perfeitamente possível colaborar em projetos de software remotamente: as ferramentas para isso amadureceram graças aos projetos open source, e você só precisa de uma conexão a internet”, conta o engenheiro brasileiro. “Até mesmo para aqueles que estão nos Estados Unidos, as horas mais produtivas costumam ser as de trabalho remoto em coffee-shops, na barca que atravessa a baía de San Francisco, ou até mesmo em casa.”

Marco afirma que a ideia da Cloudup é tornar essa colaboração possível também para outras indústrias, além da do software, “reduzindo o atrito para compartilhar informação e produção intelectual”.

A empresa norte-americana está atenta, mas, por enquanto, Marco é o único brasileiro do time. A função dele, nos últimos meses, está sendo trabalhar, principalmente, nos aplicativos nativos para PC e Mac, que estendem a funcionalidade do serviço. “Há uma mobilidade grande dentro da empresa com relação aos projetos: Comecei trabalhando no nosso serviço web antes de ir para os Apps nativos, e não é incomum corrigirmos bugs e realizarmos melhorias nos projetos uns dos outros”, conta.

Marco entrou em contato conosco para apresentar justamente esses aplicativos nativos para Mac e PC. “Os aplicativos —compatíveis com Windows XP, Vista, 7, 8 e Mac OS X 10.6 ou superior— permitem aos usuários arrastar e soltar vídeos, fotos, músicas, links e arquivos para compartilhamento instantâneo através de uma URL que pode ser enviada mesmo antes do upload ser concluído”, diz comunicado divulgado pelo próprio engenheiro.