Para entender a história por trás da presença do nome Luis Carlos Uehara na lista de bolsistas aprovados para o programa Start-Up Brasil é preciso contar a história inteira da empresa que ele representa. Uma startup que teve que gerar uma segunda empresa, para que a primeira pudesse se manter.

Quem me explicou a história foi Cristina Cho, cofundador da PaySession e da Hello Universe, as duas startups em questão. “Depois de muitas falências, nós quatro conseguimos nos reerguer em 2011 e retiramos da nossa empresa os sócios que investiam até então. Éramos muito novos e sempre tínhamos padrinhos, mas isso acabou mais atrapalhando do que ajudando nas experiências anteriores”, conta a sócia. Veja mais sobre esse período conturbado em um vídeo disponibilizado pela própria startup:

Já com a formação atual de quatro sócios fundadores, foi criada a PaySession em 2011, com o objetivo de criar uma tecnologia de live streaming adaptada às necessidades de banda larga no Brasil, com uma redução de uso de banda estimada em 90%. A equipe entregou uma proposta ao Cietec, a incubadora que fica dentro da USP, e foi aprovada, mas houve um certo desânimo quando eles não conseguiram a mão de obra para tocar o projeto.

“Estávamos quase saindo do Brasil, quando tivemos contato com professores da Poli-USP e eles nos ajudaram a encontrar pessoas qualificadas o suficiente para montar a tecnologia”, diz Cristina. Assim que começou a ser desenvolvido o projeto do PaySession, a startup conseguiu um apoio da Fapesp e descobriu que teria que cumprir um cronograma de três anos, envolvendo pesquisa, desenvolvimento e comercialização do sistema.

Foi quando surgiu um novo problema na vida dos fundadores: Eles viveriam de que nesses três anos? “O nosso fundador Bruno foi buscar no banco de ideias dele e encontrou um projeto guardado, que não exigiria tanto do nosso setor de TI, já que eles estariam bastante dedicados ao PaySession”, afirma a sócia. Esse projeto é o Hello Universe, que está sendo acelerado pela Wayra. Veja um vídeo montado pela equipe para explicar o projeto:

“A Hello Universe também envolve transmissão de ofertas de serviço pela internet, que é o negócio principal da PaySession”, explica Cristina. Segundo ela, um projeto não deve comprometer a realização do outro e, em ao final do período de três anos, ela acredita que a Hello Universe já estará “andando sozinha”.

Os quatro sócios da PaySession são Bruno Koo (CEO), Saul Ishida (Chefe de TI), Luis Carlos Uehara (administração e finanças) e a própria Cristina (conteúdo e marketing). E assim explica-se a presença de Uehara na lista de bolsistas do Start-Up Brasil.

Foto: Facebook da PaySession