Minas Gerais vai dar trabalho para os outros Estados na disputa por ser o melhor lugar para empreender no Brasil. Isso porque eles acabaram de lançar um programa chamado SEED-MG, que funcionará como uma espécie de Startup Chile mineiro –eles dizem que é mais próximo do programa chileno do que do brasileiro.

O programa financiará pessoas físicas (sim, não precisa de CNPJ!) com ideias boas que estão precisando de dinheiro para criar um protótipo do produto. Os empreendedores selecionados receberão uma bolsa de R$ 2 mil para gastarem como quiserem, e as startups terão direito a R$ 44 mil reais para gastos reembolsáveis –o governo promete devolver 90% do valor apresentado na nota fiscal, os outros 10% serão a contrapartida do empreendedor.

“O nosso foco é o empreendedor, bem em estágio inicial, que tem talento, potencial, uma boa ideia de negócio, mas ainda não tem condição financeira. É uma parcela que não era atendida aqui em Minas”, explica Leandro Augusto Lacerda Campos, da equipe do Seed, com quem conversei por telefone. Leandro representa o pessoal do Escritório de Prioridades Estratégicas, ligado ao Governo de Minas Gerais.

Durante a conversa,  Jaderson Tadeu Trindade, que também trabalha no Seed, quis destacar que foram tomados como exemplos para a criação do Seed programas como o de 500 Startups, TechStars e Y Combinator, além do Startup Chile, claro. Ele também conta que grandes nomes da cena empreendedora mineira ajudaram a delinear o projeto, incluindo Erik Cavalcanti (Vox capital), Vitor Peçanha (Rock Content), Yuri Gitahy, Gustavo Caetano, Silvio Meira, Rodrigo Esteves (Confrapar) e Gustavo Junqueira (Inseed).

O representante do Seed também me contou que o projeto teve uma vitória na Assembleia Legislativa do Estado, que aprovou o envio do dinheiro para os empreendedores sem a necessidade de eles estarem associados a instituições de pesquisa.

Valores

No Seed, serão selecionados 40 projetos, que devem ser divididos em duas edições do programa. Cada projeto deve ter uma equipe de dois ou três empreendedores, já que o governo mineiro vê uma chance maior de sucesso para quem cria em grupo.

Se a startup for formada por dois empreendedores, eles receberão um total de R$ 68 mil durante seis meses –incluindo os R$ 44 mil reembolsáveis e as bolsas mensais de cada fundador. Se a startup tiver três empreendedores, esse valor sobe para R$ 80 mil.

Isso tudo acontecerá durante um período de seis meses, tempo em que o empreendedor precisará residir em Minas Gerais. “A ideia é acelerar o ecossistema local. Queremos impulsionar essa mudança cultural, para que a família mineira também reconheça essa opção em seus filhos”, diz Leandro.

Além do capital semente, as startups selecionadas receberão mentoria especializada e poderão usar um escritório compartilhado. Também serão realizados eventos, incluindo Demo Days, para expor os trabalhos que estão sendo criados.

Em que pé a coisa está?

O Seed acaba de lançar um edital para selecionar uma entidade privada sem fins lucrativos para ser cogestora do programa –segundo a organização, essa entidade poderá gerir o Seed na velocidade que o mercado exige. A entidade escolhida administrará recursos de R$ 9,5 milhões por um período de 13 meses.

“Acreditamos que as pessoas de fora do governo tenham mais condições de selecionar essas pessoas e gerenciar tudo. É uma estrutura mais dinâmica do que a do Estado e o ideal é que seja alguém já reconhecida por essa rede de empreendedores”, explica Jaderson.

As entidades interessadas deverão apresentar dois envelopes: um contendo os documentos de habilitação e outro com a proposta técnica, até às 16h do dia 9 de agosto de 2013, no Protocolo Central da Cidade Administrativa, situado na Rodovia Prefeito Américo Gianetti, s/n, Prédio Gerais, 1º andar, Serra Verde, Belo Horizonte – MG, CEP: 31.630-901”, diz a organização do programa.

E os empreendedores?

Eles vão ter que esperar um pouco mais. Segundo André Barrence, diretor-presidente do Escritório de Prioridades Estratégicas, a previsão é que o edital para fundadores seja aberto até outubro, para a seleção da primeira turma –lembre-se, já estão confirmadas duas turmas.

Por enquanto, fiquem com o edital de seleção da empresa cogestora:

Foto: A cidade de Belo Horizonte/Facebook do governo de MG