Uma pesquisa realizada no Cietec, a incubadora de empresas que fica dentro da USP, apontou uma série de vantagens para as startups que conseguem se desenvolver em um ambiente coletivo. Realizado pela pesquisadora Leila Gasparindo e pela professora Maria Aparecida Ferrari, o estudo diz que 51,3% das startups entrevistadas “apontaram as parcerias realizadas com outras empresas na própria incubadora como resultado dos relacionamentos compartilhados gerados no ambiente de inovação”. É algo que todo mundo já sabia, mas agora ganha contornos mais reais.

A pesquisa foi enviada para todas as incubadas do Cietec e teve uma participação de 66,17% do total de empresas. Segundo Leila, outras vantagens creditadas ao ambiente coletivo de inovação foram: aproximação com os investidores (citadas em 41,3% dos casos), geração de negócios e acesso aos laboratórios de pesquisa (30%) e aproximação com grandes veículos de comunicação (28,8%).

A pesquisa também analisou as atividades de comunicação da incubadora, o famoso “RP”. Dos entrevistados, 88,8% disseram considerar importante a adoção de canais de comunicação para dar voz a opiniões das empresas. “A gestão mais participativa permite que os profissionais de comunicação atuem de maneira mais ativa nas decisões das organizações e adotem práticas comunicacionais simétricas, que são capazes de estimular processos colaborativos, ao contrário da gestão mais autoritária”, diz a pesquisadora.

As duas autoras do estudo finalizaram o trabalho recomendando que os agentes governamentais aumentem o incentivo à inovação. “Para apoiar uma cultura de inovação, é preciso adotar políticas de comunicação que estimulem os relacionamentos colaborativos”, explica Leila.