Com vocês, mais uma contribuição vinda da Conferência WWW e enviado pela nossa correspondente Ana Luisa Santos, que está no no Rio de Janeiro até o dia 17: 

A World Wide Web Conference segue em mais um dia de profundas discussões sobre o futuro da internet. Segundo o coordenador da conferência, o Prof. Daniel Schwabe da PUC-Rio, uma das grandes oportunidades para startups é que “a web está permitindo realocar capacidade ociosa em larga escala”. São os recursos computacionais ociosos da “cloud” (nuvem) que podem ser facilmente contratados a preços baixos. É um quarto de hóspedes sem uso na sua casa ou uma carona de carro e taxi que startups como AirBnB, lyft e Meleva estão permitindo alugar para terceiros, gerando uma fonte de renda antes impensável.

Mas não só de computadores, carros e casas ociosas vêm as oportunidades de reaproveitamento de recursos. Uma tendência interessante é a geração de renda através do crowdsourcing da força de trabalho ociosa. Imagine que uma empresa precisa levantar telefones de cursos de inglês em todo o país mas seus funcionários já estão bastante ocupados. Já é bastante fácil lançar esta tarefa para a “crowd”. Com um rápido treinamento, diversas pessoas podem executar partes desta tarefa, ou “microtrabalhos”, nas horas vagas. Cada um mapeia telefones em diferentes regiões do país e tem nesta tarefa uma fonte de renda. A Amazon Mechanical Turk e startups como Samasource, Crowdflower e Mobileworks estão se popularizando em prover oportunidades de remuneração online para populações de baixa renda.

Na WWW Conference muito se discute sobre mecanismos de incentivo ao crowdsourcing e também sobre como precificar os microtrabalhos. Por exemplo, pesquisadores do Google e Universidade da California em Berkeley, Yaron Singer e Manas Mittal, estão elaborando modelos matemáticos de precificação do microtrabalho. Dado um orçamento fixo, qual preço um contratante deve oferecer pelos microtrabalhos nessa espécie de leilão de força de trabalho. Questões trabalhistas à parte, esta é uma nova forma de trabalho que a web possibilita, com seus desafios e oportunidades.

Saiba mais sobre os pontos altos do terceiro dia da WWW Conf aqui.

Ana Luisa Santos é engenheira geek com mestrado no MIT Media Lab. Cofundadora da MobGeek, startup que oferece treinamentos online em mobile, nas horas vagas é co-organizadora do MIT Global Startup Workshop e da Awesome Foundation Rio.

Foto: Éole/Flickr (Acesse o original)