A Zeever, uma plataforma que permite a criação de lojas pelo Facebook, enviou um e-mail a seus usuários informando que encerrará suas atividades no dia 17 de fevereiro. Segundo a mensagem, é recomendado que os usuários procurem um serviço alternativo e salvem descrições, imagens, preços e qualquer outro conteúdo que tenha disponibilizado na plataforma –depois de fechado, não será mais possível recuperar os dados.

“Para qualquer empresa sobreviver é necessário gerar receita, como o Zeever nunca se pagou, decidimos encerrar as operações”, diz o e-mail enviado aos usuários. Em um tom triste, a equipe agradece seus usuários, “principalmente os primeiros, que muito nos ajudaram”.

“Pedimos desculpas também a todos por esta infelicidade, acreditem, estamos bastante tristes por não termos conseguidos ter sucesso”, finaliza a mensagem, também divulgada em inglês.

Procurei o pessoal envolvido na Zeever para saber mais sobre os usuários afetados, mas a equipe preferiu não se pronunciar.

A questão das “empresas que não deram certo” são papo recorrente entre os empreendedores, que tentam aprender com os erros e obstáculos. A Bel Pesce, por exemplo, falou durante um evento que também teve sua porção de tentativas frustradas: assista aqui.

Fim de service nos EUA
No dia 21 de fevereiro, os usuários do serviço Memolane receberam uma parecida com a dos que usavam o Zeever, só que a carta enviada pelo serviço norte-americano foi considerada um “exemplo” de como anunciar aquisições pelo blog americano VentureBeat.

Em um post, no geral, com um tom positivo, o Memolane anunciou que havia sido comprado e a conta de quem o usava seria deletada. “Hoje queremos compartilhar a notícia empolgante que nosso time irá se juntar a outra companhia, que usará as funções do Memolane”, diz o post divulgado (leia a íntegra aqui, em inglês).

A equipe do produto americano também recomendou alguns de seus concorrentes para os usuários que perderão suas contas e disponibilizou alguns canais de diálogo com seus clientes.