Impressionante como o polêmico crowdsourcing gera retorno. Dia 15 de janeiro, a Fundação WikiMedia (que gere, entre outros, a Wikipedia, enciclopédia colaborativa que mais simboliza o crowdsourcing) completou 10 anos de atividades com o total de US$ 16 milhões arrecadados via doações! Este é o crowdfunding: usar a galera que acredita na sua ideia para arrecadar dinheiro, de pouco em pouco.

No Brasil também tem disso. Neste momento, por exemplo, o pessoal da Solidarium está arrecadando dinheiro para entrar num programa internacional de mentoria em negócios sociais. E este ano surgiu a Catarse, plataforma para crowdfunding de projetos criativos.

O Catarse funciona assim: você envia seu projeto, diz quanto precisa e até quando quer arrecadar este dinheiro. Aí você divulga o projeto e as pessoas podem optar porapoiar com qualquer valor a partir de R$ 10 e receber recompensas por isto! Se até o prazo escolhido você tiver atingido o valor que precisa, você recebe o dinheiro. Senão, todo mundo recebe o dinheiro de volta. Simples assim.

Diego Reeberg, um dos fundadores do Catarse, apresentou o projeto na competição de produtos Campuseiros Empreendem, dentro da Campus Party. A plataforma já conta com vários projetos, e alguns já arrecadaram mais de R$ 2 mil. Para cadastrar projetos ou apoiá-los, basta criar seu perfil no site, que permite usar seus logins do Google, Twitter, Facebook… Da mesma forma, o site está configurado com botões de “espalhe este projeto nas mídias sociais”, widgets para você embedar projetos em outros sites e blogs, e permite que os projetos embedem vídeos e links.

Para colocar um projeto no site, não custa nada. Agora, se (e somente se) o projeto for bem sucedido, o Catarse fica com 5% do valor arrecadado. Já o MoIP (que processa os pagamentos) cobra uma taxa que varia entre 6% e 7% por transação. Os direitos de propriedade intelecutual/autoral são totalmente do criador, a plataforma não fica com nada.

E o que você ganha se doar para um projeto? Bem, dei uma olhada nas c0ntrapartidas que o pessoal vem oferecendo: tem desde adesivo, passando por menção na lista de colaboradores até edições limitadas de produtos do projeto. Gosto dessa ideia. Colaborei com a causa da Solidarium e já escolhi, por enquanto, dois projetos listados no Catarse que receberão meu apoio. E quem sabe um dia eu inscreva projetos lá :)

Gol do time de Reeberg ;)