* Por Sérgio Roque

Quando se pensa em empreender a primeira coisa que nos vem a mente é: “Precisamos fazer um plano do negócio. Por quê? ”

A resposta é simples: é essencial ter algum planejamento para algo dar certo. Eu, particularmente, como consultor, prefiro aplicar um processo de Canvas bem feito e bem validado antes e depois fazer o plano.

O mesmo pensamento vale para as empresas e seu planejamento estratégico. Sem estratégia nenhum plano de ação vai adiante. Por que então planejar é essencial para o sucesso de uma empresa e não é, na grande maioria das vezes, cogitado em nossas vidas pessoais?

Quando muito, algumas empresas investem no planejamento de carreira para alguns executivos. Poucos executivos pensam em fazer um planejamento por si mesmo.

A primeira resposta também é simples: porque planejar dá trabalho.

Consome tempo e recursos. É necessário acompanhar as ações e corrigir os desvios para se chegar aos objetivos. É preciso pensar, refletir, organizar. É necessário aprender.

Porém há outro motivo. O pilar do qual nasce um bom Plano de Desenvolvimento Individual é o autoconhecimento em sua base. Estou falando de princípios, valores, comportamentos, autoimagem e competências emocionais. E isso, poucos são os executivos, e muito menos ainda empresas, que enxergam valor.

Passei a semana em um prédio somente de startups. A informação que tive foi que a maioria demanda de consultoria de Cultura e Liderança.

Não seria mais fácil se os líderes destas empresas já tivessem feito um PDI, estabelecido seus valores e quais seriam os da empresa? Somente conhecer os vários estilos de gestão e questionar certos comportamentos já seria muito válido.

Não seria mais fácil promover que seu time inicial tivesse também este treinamento, assim alinhando as contratações com os valores da empresa? Somente o fato de ter em mãos informações sobre a saúde emocional do seu time já seria bastante importante.

A pergunta da qual eu não tive resposta foi: o quanto isso afeta sua produtividade? Somente me disseram que era um grande problema. A rotatividade é enorme com uma deficiência de profissionais na área.

Eu entendo o momento destes gestores. Eles não têm tempo para nada a não ser para entregas que garantam investimento futuro ou o sucesso do investimento já feito.

Minha sugestão? Promova o desenvolvimento individual. Faça com que isso seja algo para a vida e não para a empresa. Talvez seus colaboradores entendam que é necessário fazer isso no sábado ou, de vez em quando, em um domingo, mas que é tão fundamental para a vida deles quanto para a empresa.

Depois tudo ficará mais fácil e você pode até pensar em alinhar os valores, melhorar estilos de gestão, clima nos times, produtividade e o que mais precisar.

Se você quer uma carreira em equilíbrio com sua vida e com sucesso, qualquer que seja o seu conceito de sucesso, alinhada com seus valores, faça seu Plano de Desenvolvimento. Não espere que alguma empresa faça este investimento.

Investir na sua vida como um todo deve ser o mais importante para você.


sergioSergio Eduardo Roque é coach executivo e de vida com foco em processos de autoconhecimento na SerOQue Desenvolvendo Pessoas. Com formação em engenharia (FAAP) e marketing (ESPM) atua há mais de 25 anos no mercado como executivo e empreendedor.