Depois de fundar a Bossa Nova Investimentos, uma das maiores investidoras de startups da América Latina, com um portfólio de mais de 400 investimentos em três anos, Pierre Schurmann amplia sua atuação no mercado de tecnologia e Internet e anuncia a criação da Keiretsu Software, grupo de empresas de Software as a Service que nasce com capital inicial de R$ 100 milhões para adquirir negócios em franco crescimento e com alta escalabilidade.

“Com a Bossa Nova continuamos inovando no mercado de investimento em startups, apoiando o ecossistema e ajudando a criar a categoria pré-seed de VC no Brasil. Seguiremos apoiando milhares de empreendedores para que tenham acesso a capital e ajudem a fortalecer o cenário das startups aqui. Com a Keiretsu Software vou inovar de uma forma diferente. Quero permitir que os fundadores, investidores-anjo e bons times tenham uma real possibilidade de liquidez. Acredito que essa é a etapa que falta para fechar o ciclo para muitos que acreditam no potencial do mercado de startups no Brasil”, explica Schurmann, que segue como presidente do conselho da Bossa Nova e passa a se dedicar também como CEO comandando a operação da Keiretsu, uma referência ao termo japonês para designar um grupo de empresas que operam de forma cooperada.

“A Bossa Nova se tornou o principal player em smart money na América Latina, agregando não somente seed investment, mas também nossa expertise no mercado digital. Continuaremos trazendo aceleração, conhecimento, segurança e oportunidades únicas aos investidores anjo e empreendedores e seguirei acompanhando de perto o ecossistema da Bossa Nova para garantir o cumprimento da nossa missão: ser a opção número 1 para empreendedores acessarem capital e a inteligência conjunta de nossos mais de 1.500 founders”, acrescenta.

Um por todos e todos por um

Segundo ele, em sua nova empresa os fundadores irão manter uma participação nas startups adquiridas e se tornarão também acionistas da Keiretsu Software. O modelo, inédito no Brasil, segue o criado pela Constellation Software, grupo canadense de capital aberto de mais de 250 empresas listado na Bolsa de Toronto e cuja ação se valorizou mais de 3000% desde seu IPO.

“Este modelo incentiva todos os empreendedores a focarem no crescimento de seus negócios, já que, ao terem participação no grupo, quando uma startup alcança boa performance todos os demais ganham. De um lado, trazemos liquidez aos investidores anjo que ajudaram a levantar os negócios em seus primeiros dias e, de outro, continuamos incentivando os empreendedores a fortalecer suas startups, ganhar maior tração e seguir crescendo”, esclarece ele.

A Keiretsu Software irá analisar somente empresas de SaaS e planeja fechar a aquisição de entre 40 a 70 startups até o final de 2020 que somem faturamento de R$ 100 milhões. Outros critérios são negócios que tenham pelo menos 2 anos em operação, faturem entre R$ 2 milhões e R$ 10 milhões e não tenham ainda recebido investimentos de fundos. Até o final de 2025, a previsão é atingir receita total de R$ 1 bilhão proveniente do seu portfólio de empresas.