A Burst é uma empresa que promete transformar startups. O B2B utiliza startup thinking para ajudar empresas a criarem novas formas de troca de valor com seus clientes. Fundada em 2013 por Maurício Conti e Gustavo Camargo ela usa um modelo de negócio chamado AaaS – Advertising as a Service. Uma das clientes da marca, segundo a empresa, é a Editora Oxford,  um departamento da Universidade de Oxford, que busca, no Brasil, entrar em novos mercados.

A ideia da Burst é oxigenar negócios já desgastados ou que querem expandir, ou mudar. A agência oferece uma metodologia na qual o planejamento é feito com base em uma estratégia de continuidade. Para o mercado publicitário, a Burst é um parceiro de pesquisa e tendência que utiliza o método científico ao invés do método estatístico, complementando o trabalho das agências de publicidade.

Veja abaixo conversa com Maurício Conti, CEO da Burst.

A Burst é uma agência que ajuda a pivotar empresas? Ela pode ter essa finalidade?

A Burst é uma agência de transformação que utiliza startup thinking para ajudar empresas, de todos os portes, a criarem novas formas de troca de valor com seus clientes.  Para startups, atuamos em três áreas: product/market fit, branding (sim, startups precisam de branding) e advertising.  Sobre pivotar, nós podemos ajudar as startups nesta tarefa, sem dúvida, principalmente no estágio onde a startup precisa provar que tem condições de escalar.

A Burst é uma startup?

Uma startup pressupõe uma organização em busca de um modelo de negócio escalável e replicáveis.  Prefiro considerar a Burst como um Lifestyle Business. Uma empresa formada por pessoas que são apaixonadas por startup thinking e que acreditam que esta nova maneira de criar inovação pode mudar, para melhor, companhias de todos os tamanhos e de todos os mercados.

Quantas startups vocês já atendem?

Já atendemos mais de 10 startups em diversos estágios de desenvolvimento. Desde o pré-lançamento até a fase de consolidação e de criação de escala. Dois bons exemplos são, primeiro a Hatsu, uma startup recém lançada de e-commerce de óculos ultra premium, com marca própria, onde fizemos o trabalho de branding e consultoria de posicionamento. O outro é a Geofusion, uma startup que já conta com diversos investidores, entre eles a Intel Capital, onde fazemos o trabalho de storytelling e criação dos materiais comerciais.

A Burst atende empresas de outros países?

Sim.  Algumas vezes somos procurados para auxiliar startups estrangeiras a entrarem no mercado brasileiro.  É o caso, por exemplo, da LinguaLeo, um app de ensino de inglês baseado em gamificação.  Foi um trabalho com grandes resultados onde, junto com o CEO brasileiro que, aliás, conhecia muito bem o mercado local, nós criamos uma estratégia de marketing de guerrilha e comunicação focada, capaz de atingir exatamente o perfil que eles queriam: jovens, em idade universitária, da classe C.

Quanto custa em média o pacote de serviços da Burst e o que ele inclui?

O trabalho da Burst é bastante específico e, por isso, é difícil de se estabelecer valores e pacotes fechados.  Vai depender muito da necessidade da startup e do momento que ela vive.

A Burst teve investidor externo?

A Burst contou com capital exclusivo de seus sócios fundadores. Do ponto de vista externo, estamos trabalhando em alguns acordos e parcerias estratégicas. O primeiro acordo já firmado é com a consultoria suíça Business Counselors, com foco de atuação principalmente em grandes corporações. Hoje, grandes empresas têm um desafio imenso na integração da inovação com seus processos tradicionais. Mesmo quando se estrutura inovação usando o paradigma de startup esta integração continua sendo vital. E a Business Counselors tem grande know-how, exatamente, nesta etapa.

Quais são os próximos passos da empresa?

Hoje, nosso foco é ampliar a base de clientes, o que inclui startups e, também, empresas já consolidadas, mas que sentem a necessidade de transformar seus negócios para torná-los mais próximos de seus clientes.  A consolidação de novas parcerias com consultorias internacionais também está no nosso roadmap de curto prazo e, nesta área, teremos novidades em breve.