“No Brasil há vários programas de inovação mas há poucas tecnologias disruptivas. É por isso que nós vamos, olhamos para o futuro, mas voltamos e começamos a fazer o presente”. A frase foi dita ontem por Laércio Cosentino, co-fundador e presidente  da Totvs. Eis um bom meio-termo entre o pensamento de algumas startups, com a cabeça focada demais no futuro, e de grandes empresas, ainda presas no passado.

A Totvs é a maior empresa de ERP no Brasil e na América Latina, onde detém 55,4% e 35% de marketshare, respectivamente. No mundo, ela é a sexta maior. Em 2013, atingiu receita de R$ 1,6 bilhões, ficando com R$ 223,1 milhões em lucro líquido. Mas, como ela consegue?

Segundo Cosentino, o principal é sempre investir e acreditar em inovação, além de tentar “ser uma eterna startup”. “Sempre estaremos dispostos a evoluir mais. Hoje você pega as principais indústrias e percebe que elas chegam a uma fase de arrogância. Isso sem contar que há empresas com 10 anos que já são velhas”, comenta.

Por esse e outros motivos, nos últimos cinco anos ela investiu R$ 830 milhões em pesquisa e inovação; além de abrir a Totvs Ventures, que investiu em várias startups; além de ter promovido um oncurso de startups.

“Sabemos que não dá para viver com um grande negócio daquela forma engessada que vemos muitas vezes. É como você pegar um transatlântico e tentar torná-lo um jetsky: muitas vezes, não dá. Mas, construímos um navio que é mais fácil de manejar. E, dia a dia, vamos reduzindo para ter vários jetskys ao invés de um transatlântico”, comenta Cosentino.

Durante a apresentação à imprensa, em que mostrava as novas diretrizes da empresa, e até mesmo o novo espaço físico (que foi desenhado para parecer a nave Enterprise) era possível ver essa ideologia deles. O slogan mais utilizado é que, a partir de agora, eles querem “pensar todos juntos”. Também dizem que querem ser cada vez mais ágeis e terem uma tecnologia fluida. Em suma, ser a “eterna startup”, dita no começo do texto. Veja o manifesto da empresa.