Um negócio para poucos é o nicho da Superlógica, uma empresa de Campinas que oferece plataformas de gestão para diferentes negócios. “Não temos um software genérico que serve para qualquer tipo de empresa, a gente trabalha vertical, fazemos um software para imobiliária e um diferente para condomínios”, explica Carlos Cêra (foto), sócio-fundador e diretor de novos negócios da empresa.

A plataforma também apresenta soluções para micro-empresas, escolas e clube de assinaturas. Os software da Superlógica ajudam na emissão de notas, nos pagamentos, no faturamento recorrente e no controle das finanças.

E é por ser um negócio tão específico que a empresa sempre funcionou com investimento próprio e tem dificuldade de encontrar investidor. “Temos reuniões [com investidores] e eles querem copycat dos negócios americanos, mas o nosso modelo é diferente”, diz Cêra. Apesar disso, o diretor diz que já existem conversas com fundos.

A Superlógica existe desde 2001 e hoje tem mais de 1.400 contratos de mensalidade. Cada empresa paga em média entre R$ 200 e R$ 400 por mês, mas Cêra diz que esse valor aumenta se a empresa em questão tem muitos clientes. Ele e os sócios pretendem expandir o número de verticais de mercado em que atua. A meta é chegar a dez até o fim de 2014 e até 50 ao fim de 2015.