O aporte do Start-Up Brasil fará uma diferença tremenda na vida do time de fundadores da Profes, uma startup de São Paulo que está incubada no Cietec. Quatro dos cinco sócios poderão, finalmente, largar seus empregos para se dedicar em tempo integral a plataforma, que atualmente funciona como um diretório de professores particulares.

Com os fundadores disponíveis em tempo integral, eles devem também mudar o negócio central da empresa, que passará a manter um marketplace de aulas particulares feitas por meio de videoconferência. “Hoje estamos numa fase de mudança do negócio. Vamos oferecer a infraestrutura para que essas aulas particulares aconteçam, desde ajudar o professor a anunciar até fazer agendamento, pagamento e avaliação. Tudo focado em idiomas e aulas para ensino Fundamental e Médio”, explica Victor Harada, o sócio mais focado no negócio da empresa.

Na Profes, Victor se junta a quatro cientistas da computação: Alberto Bueno Junior, Claudivan Ribeiro, Tiago Bomventi e David Curado. Segundo ele, o projeto existe desde 2011, quando um dos fundadores queria dar aulas particulares, mas viu que havia uma grande descentralização. “A gente construiu essa base de professores, com mais de 2.500 cadastrados. O objetivo sempre foi trabalhar gratuitamente no diretório, mas chegou o momento em que era preciso monetizar e foi quando me juntei ao grupo”, conta Victor.

Foi em agosto de 2012 que começou a mudança na direção de gerar receita. A empresa entrou para o programa de incubação do Cietec em março de 2013 e começou a tocar o negócio, mesmo com essa dificuldade de todos os fundadores estarem dedicados também a outros empregos. No Start-Up Brasil, eles serão acelerados pela Aceleratech* e a ideia é lançar o marketplace ainda neste ano.

*A Aceleratech faz parte da nova estratégia do Startupi; leia mais aqui