Um argentino, que criou uma startup em Nova York com a ajuda de um amigo colombiano, veio falar comigo em português na semana passada. Essa combinação de países e idiomas deu início ao papo que tive com Diego Saez-Gil, da WeHostels, empresa que criou um aplicativo para que jovens viajantes encontrem e reservem acomodações a preços acessíveis –a companhia teve US$ 1,2 milhão em investimento seed.

Inicialmente disponível só nos EUA, o programa agora está sendo traduzido para o português e lançado no mercado brasileiro com a ajuda de dois “embaixadores” que a empresa contratou por aqui: Grant Lingel e Paula Stange.

Bati um papo rápido com Grant, sobre as expectativas em relação ao trabalho de ajudar a trazer o WeHostels ao Brasil. Veja:

Por que você decidiu virar um embaixador do WeHostels?
Eu conheci o Diego uma conferência em Nova York em 2010, quando eu estava trabalhando para o The Hostel Life. Eu mudei para o Brasil em 2011, com a ideia de aprender português, viajar e, o mais importante, achar um bom lugar para abrir um hostel. Em 2012, o Diego veio falar comigo sobre essa possibilidade de promover o WeHostels no Brasil. É uma boa oportunidade para mim, porque posso viajar e ver os diferentes hostels, enquanto divulgo o produto em boa companhia. Eu senti uma conexão com o time da startup desde o começo e já tive ótimas experiências ao representa-los ao redor do mundo.

O que exatamente faz um “embaixador” de uma startup?
Meu trabalho principal é divulgar o app, mas eu tenho feito também textos para blogs. Meu trabalho como embaixador tem sido maravilhoso. Eu já visitei mais de 100 hostels em Brasil, Uruguai, Argentina, França, Itália, Holanda e Nova York em nome do WeHostels. Nessas visitas, eu apresento o aplicativo para os viajantes e para os donos dos hostels, além de dar festas e distribuir brindes. Eu e a Paula, que é minha mulher, vamos ajudar essa comunidade a se desenvolver pelo Brasil, conectando os viajantes com os hostels. Faremos vários eventos em todo o país.

Quais são as suas expectativas para a chegada do WeHostels ao Brasil?
Eu tenho uma grande expectativa em relação ao WeHostels em todo o mundo. Aqui, no Brasil, as pessoas são muito conectadas. Quando algo pega fogo, isso se espalha rápido e longe. Existem tantos jovens brasileiros viajando para programas de intercâmbio e eles voltam com um grande desejo de viajar mais. A indústria dos hostels está explodindo no Brasil, com centros como o Rio, Florianópolis, Foz do Iguaçu e Salvador adicionando novos hostels como loucos. Isso sem mencionar a Copa e a Olimpíada. Eu estou muito empolgado para o potencial do WeHostel no Brasil para conectar viajantes jovens e de mente aberta e ajuda-los a se acomodar em lugares legais, enquanto exploram esse país grande e bonito.