A Queremos, startup de crowdfuding de shows, tem “um dos melhores times” que Marcelo Sales, cofundador da aceleradora 21212 e da Movile, viu na vida. Ele me falou isso durante uma entrevista na Campus Party, em que ele explicava porque a Queremos e a PagPop são exemplos de startups aceleradas pela 21 212 que “deram certo” (leia aqui).

Hoje, no Ping Pong, falamos com Tiago Compagnoni, atual CFO da empresa e opinião determinante na escolha deste “dream team” foi fundamental –ele é um dos cinco sócios fundadores da startup.

Surpresa ou não, ele conta que a paixão por música foi um critério importantíssimo na criação do time que hoje expande a empresa para os Estados Unidos, rebatizada de WeDemand. Tiago também falou de desafios, paixões e deu conselhos a futuros empreendedores.

Veja a entrevista na íntegra.

O que te inspira na vida e no trabalho?

Desafios.

Você lembra como foi seu primeiro contato com a tecnologia?

Um Apple II que eu comprei usado de um tio meu.

O que te fez começar a empreender? Como você se preparou para ser um empreendedor?

Acho que foi a consequência de ter muitas idéias e vontade realizá-las.

Quando você começou esta startup, qual foi sua visão de sucesso?

Éramos cinco fãs de música e queríamos que mais shows acontecessem na nossa cidade. A solução acabou surgindo.

No Brasil, todo mundo é meio técnico da seleção e quer escalar o time dos sonhos. Como você fez para escalar o seu time?

Paixão por música foi um dos requisitos principais, foi o que uniu os sócios inicialmente.

Prefere bootstrap ou empreender com o dinheiro de sócios?

Acho que casa fase tem uma necessidade específica. Conseguir um MVP funcionando e com receita antes de conseguir investimento é sempre um bom sinal para a empresa.

Para onde o mercado brasileiro vai? E as startups vão junto, vão na frente ou atrás?

O mercado de startups sem dúvida só vai crescer. É uma cultura que já existe desde os anos 50 nos EUA e lá foi essencial pro desenvolvimento tecnológico.

Você se sente realizado? já conquistou o sucesso? Sua noção de sucesso alterou conforme a trajetória da startup?

Você vai realizando pequenas vitórias que te realizam. Acredito que não exista um momento “estou realizado”, é uma sequência de realizações.

Quais dicas você daria para quem está pensando em empreender uma startup?

Ser apaixonado pelo seu projeto. Virar noites, perder final de semana, férias e feriados só valem a pena se você estiver feliz por realizar o seu sonho.

LEIA AS EDIÇÕES ANTERIORES DO PING PONG