A Mobly tem pouco mais de um ano de vida, mas já abriu um processo de seleção para contratar sua primeira turma de trainees. A startup está buscando sua próxima geração de líderes de uma maneira geralmente vista nas grandes corporações. Quem conversou comigo sobre o assunto foi Mário Fernandes, sócio fundador da companhia que mantém um site de venda de móveis e artigos para decoração.

“O site entrou no ar em novembro de 2011, mas crescemos muito rápido. Apesar de sermos uma empresa jovem, já temos mais de 350 funcionários e um bom patamar de faturamento”, conta Mário. Segundo ele, a startup só chegou neste nível graças às pessoas que contratou. “A primeira coisa que fizemos, quando éramos só os três fundadores, foi atrair pessoas extremamente qualificadas. Hoje, eles são os nossos oito diretores.”

Dos oito diretores da Mobly, metade já tinha uma boa experiência de mercado quando chegou a empresa, e a outra metade tinha acabado de sair da faculdade. “Quatro deles são bem jovens e vieram trabalhar com a gente por ter um potencial espetacular”, explica o sócio. Apesar da ausência de experiência, os diretores jovens têm formações de instituições como a Poli-USP, a FGV e o ITA.

Todo esse histórico com jovens de alto potencial que deram certo fizeram com que a Mobly valorizasse muito a questão do potencial, diz Mário. Ele afirma que a startup busca mais gente para funcionar como combustível e continuar o crescimento da empresa. “Queremos pessoas das melhores escolas, comprometidos e com vontade de aprender.”

O site da seleção de trainees da Mobly já está no ar e a companhia não determinou um número fechado de profissionais a serem escolhidos. “Óbvio que não temos espaço para 50 trainees, nosso programa é adaptado para a nossa realidade”, diz o sócio fundador.

O recém-formado escolhido passará oito meses como funcionário pago da startup e terá experiência com todas as áreas da empresa. “Não queremos que o cara seja um turista. Queremos que eles contribuam, façam. Teremos alguns mini projetos para eles realizarem enquanto estiverem aqui”, conta Mário. Enquanto estiverem nas diversas áreas da Mobly, os trainees terão contato tanto com o lado operacional de cada área, quanto com os grandes desafios de cada setor. A ideia é dar a eles uma visão que combina operacional e estratégia.

Por que alguém escolheria ser trainee em uma startup e não em uma grande corporação, como a Ambev? Mário responde que o programa da Mobly não é “melhor, nem pior”, mas traz características diferentes: “A nossa proposta é bem particular, porque ainda estamos construindo uma empresa, ainda temos muito o que fazer.”

Segundo o sócio da startup, a oportunidade é boa para quem tem perfil empreendedor e quer explorar esse lado, já que os conceitos e processos ainda não estão completamente definidos e é preciso estruturar muita coisa. Além disso, ele afirma que a startup pode dar mais responsabilidades muito mais cedo para quem estiver pronto pra isso.

O programa de seleção de trainees da Mobly está com inscrições abertas para recém-formados em administração, ciência da computação, economia, engenharia, estatística, marketing, matemática e publicidade e propaganda. Para mais informações, acesse o site oficial do programa.